HAGIOGRAFIAS


PROFECIAS DE SÃO MALAQUIAS
Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara
É curioso olharmos hoje para as profecias de São Malaquias e para o nosso Papa. Esse é o 112º e último papa na lista de São Malaquias. Depois dele, diz o monge, virá o juízo final. Mas tantos foram os profetas dos fins dos tempos e dos sinais que os precederão, que me parece ser essa apenas mais uma catástrofe pouquíssimo provável.
São Malaquias foi um monge irlandês do século XII. Nasceu na cidade de Armagh, em 1094 e teria previsto a própria morte que ocorreu em dois de novembro de 1148, na cidade francesa de Clairvaux. O Papa Clemente III canonizou-o como o primeiro santo irlandês, em 1190.

O importante em sua vida é a profecia atribuída a ele. Em 1139, visitando Roma, teria uma visão em que recebera o nome de todos os papas futuros. Uma frase epigramática identificava cada papa. Em 1140, o monge confiou ao Papa Inocêncio II sua listagem. Trata-se de um conjunto de frases herméticas que trazem as características de cada um dos papas que se seguiria.

São Malaquias
Por razões desconhecidas, o texto ficou arquivado no Vaticano por quatrocentos anos, somente vindo a público em 1595, numa obra do monge historiador beneditino Arnold de Wyon, no livro intitulado Lignum Vitae, ou seja, Árvore da Vida. Trata-se de uma obra histórica da Ordem Beneditina. Durante a pesquisa nos arquivos do Vaticano, ele teria encontrado o documento de São Malaquias.
Apresento aqui os últimos dez papas, conforme aparecem caracterizados em inglês, na obra do monge Wyon:
1) O papa atual é apresentado no Lignum Vitae como Peter the Roman (Pedro, o Romano) – Interpretação: O nome papal de Jorge Mario Bergoglio, Papa Francisco, é uma homenagem a São Francisco de Assis, um santo de cujo nome civil é Pietro Bernardone (Pedro em italiano). As palavras de Malaquias são ainda: "Na perseguição final da Igreja Católica Romana, lá reinará Petrus Romanus, que alimentará seu rebanho em meio a muitas tribulações. Depois, a cidade das sete colinas será destruída e virá o julgamento final. O último Papa desunirá os Católicos e o Vaticano, causando confusão e perturbação total". Este é o último papa da lista de São Malaquias.
2) O papa anterior, Bento XVI aparece como The Glory of the Olive (A Glória das Oliveiras), BENTO XVI, 2005-2013. Explicação: A Ordem de São Bento afirmava que este Papa viria de suas fileiras. São Bento profetizou que antes do fim do mundo sua Ordem, também conhecida como Olivetans, triunfalmente levaria a Igreja Católica em sua luta contra o mal. Tradicionalmente, o ramo de Oliveira tem sido associado à paz, mas no Antigo e no Novo Testamento serve também como um emblema para os judeus. É interessante observar que Jesus profetizou sobre o fim dos tempos no Monte das Oliveiras.
3) João Paulo II aparece como The Labor of the Sun, "De Labore Solis" (O Trabalho do Sol), JOÃO PAULO II, 1978-2005. Aplicada a João Paulo II, esta frase revela nada menos do que uma profecia dupla. João Paulo II (Karol Wojtyla), o primeiro Papa não-italiano em 456 anos, era um nativo de Cracóvia, Polônia. Cracóvia é a cidade onde, nos séculos XV e XVI, Copérnico trabalhou por anos para provar sua teoria "herética" de que a Terra girava em torno do Sol. João Paulo II foi o Papa mais jovem em mais de um século, e o Papa mais viajado da história. Ele foi como o Sol, que nunca deixa seu trabalho e fornece luz diariamente. João Paulo II nasceu em 18 de maio de 1920. Nessa data, na parte da manhã, houve um quase total eclipse do Sol sobre a Europa.
4) João Paulo I é descrito como Of the Half Moon (Da meia lua), JOÃO PAULO I, 1978-1978. Ele foi eleito Papa em 26 de agosto de 1978, quando houve uma meia-lua. Seu pontificado durou apenas 33 dias, quando morreu. Muitos pensam que ele foi assassinado. João nasceu na diocese de Belluno (bela lua) e foi batizado Albino Luciani, que significa "branca luz". Ele se tornou Papa em 26 de agosto de 1978 e morreu no mês seguinte, logo após um eclipse da lua.
5) O Papa Paulo VI é, segundo Malaquias, Flower of Flowers (Flor das flores), Paulo VI, 1963-1978. O brasão de armas de Paulo mostra três flores de lis, correspondendo à profecia de Malaquias.
6) João XXIII é apresentado como Pastor and Mariner (Pastor e Marinheiro), JOÃO XXIII, 1958-1963. João era um pastor para o mundo, muito amado, e o Patriarca de Veneza. A ligação a "marinheiro", portanto, é notável. Durante o conclave em 1958 em que João XXIII foi eleito, o Cardeal Spellman, de Nova York, literalmente alugou um barco, encheu-o com ovelhas e navegou pelo Rio Tibre em sua homenagem.
7) PIO XII é Angelic Shepherd (Pastor Angélico), PIO XII, 1939-1958. Este Papa tinha uma afinidade com o mundo espiritual, e visões recebidas que não tinham sido tornadas públicas. Pio XII emergiu como um dos grandes papas de todos os tempos, e foi no verdadeiro sentido da palavra, "O Pastor Angélico" para o seu rebanho.
8) PIO XI é Unshaken Faith (Inabalável Fé), PIO XI, 1922-1939. Este Papa enfrentou uma enorme pressão das potências fascistas e sinistras na Alemanha e na Itália, mas ele foi um crítico ferrenho do comunismo e do fascismo, enfurecendo os ditadores Mussolini e Hitler.
9) Religion Laid Waste (Religião Devastada), BENTO XV, 1914-1922. Infelizmente isso foi verdade. Durante o reinado deste Papa floresceu o movimento comunista na Rússia, onde as religiões foram devastadas e a primeira guerra mundial ocasionou a morte de milhões de Cristãos, na carnificina de Flandres e em vários outros lugares.
10) O décimo último papa foi PIO X The Burning Fire (O Fogo Ardente), SÃO PIO X, 1903-1914. Foi a alma escolhida para ser o vigoroso oponente do liberalismo que tentou, nos tempos modernos, contaminar a Igreja Católica e assim destruir os seus dogmas. Lutou contra a tentativa de associação dos Católicos às irmandades sem nenhuma relação com Jesus ou com Nossa Senhora. São Pio X foi o Papa da Comunhão para todos, principalmente para os mais jovens. Nenhuma influência política pode fazê-lo alterar sua missão de Vigário de Cristo na Terra e o único legislador do mundo no qual tudo é pertinente a Deus.
Apagou os últimos vestígios do jansenismo ao advogar a comunhão frequente e diária, reformou a Liturgia, diligenciou a favor de homilias simples e claras e trouxe de volta às cerimônias o canto gregoriano. Revisou o Breviário e preparou o Catecismo. Atribuíram-se a São Pio X vários milagres. Relata-se que pessoas doentes que tiveram contato com ele se curavam, e este fato ele mesmo explicava como sendo "O poder das chaves de São Pedro".
As interpretações acima a respeito das profecias de São Malaquias são vozes de alguns membros da Igreja Católica. Alguém poderá dizer que sempre se encontrarão relações entre as palavras de Malaquias e alguma característica da realidade de cada papa. Como se diz, são leituras que a própria Igreja não assume como verdadeiras.


NOSTRADAMUS – PROFECIAS PARA 2015
Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara
O nome civil de Nostradamus era Michel de Notredame, em occitano ou provençal, Miquèl de Nostradama, mas consagrou-se, de acordo com o modo renascentista, em sua forma latina Nostradamus. Como era de origem judaica e houvesse, em seu tempo, uma forte perseguição aos judeus, seu pai afrancesara e latinizara os nomes.
Foi um médico, astrólogo, farmacêutico e escritor francês. Ao lado de São Malaquias, é considerado um dos mais famosos profetas da história. Nasceu em 1503, em Saint-Rémy-de-Provence, sul da França. Era filho de uma família de ricos comerciantes.
Retrato de Nostradamus, por seu filho César
Recebeu o título de doutor em medicina, apesar de alguns percalços que enfrentou no período da trágica peste bacteriana ocorrida nos anos 20 e 30, do século XVI d. C. Teria inventado uma pílula rosa a que se atribuíam poderes curativos em relação a essa terrível doença. Foi incansável pesquisador das causas e de um modo de cura dessa doença que atingia multidões. Depois de sofrer longamente de gota, faleceu de hidropisia em junho de 1566.
Porém, o que o notabilizou foi seu livro de previsões do futuro intitulado Les Prophéties (As Profecias). Escreveu essa obra depois de muito viajar por diversos países da Europa e ter confidenciado e discutido com muitos sábios de sua época.
A edição considerada oficial é de maio de 1555. Essa obra é de difícil interpretação já pela forma como foi escrita. O autor faz uma mescla de idiomas em seu texto, desde o francês, o provençal renascentista, o latim e o grego clássico. Além do mais, o livro é escrito em versos, formado quadras, e seu texto está repleto de metáforas, muitas vezes meio enigmáticas.
Não se tem certeza da verdade de suas previsões enigmáticas. Há quem creia em seu poder predictório e há também os que o acusam de charlatão.
Seu livro de profecias é composto de doze centúrias, num texto um tanto hermético. Algumas centúrias estão incompletas.
As centúrias estão escritas em quadras, estrofes de quatro versos. Abaixo segue um exemplo. Transcrevi a as quatro primeiras quadras da Primeira Centúria. Na coluna da esquerda, está o texto original de Michel de Notredame, na coluna da direita está a tradução portuguesa.

PRIMEIRA CENTÚRIA
PRIMEIRA QUADRA

ESTANT assis de nuict secret estude
Seul reposé sur la selle d’ærain:
Flambe exigue sortant de sollitude
Fait prospérer qui n'est à croire vain.
À noite, entrego-me a estudos secretos.
Só, tomo assento no tripé de cobre.
A minúscula chama surge da solidão,
Faz progredir quem não é vão em crer.
SEGUNDA QUADRA

La verge en mains mise au milieu de
Branches
De l'onde il moulle et le limbe et le pìed:
Un peur et voix frémissent par les
manches:
Splendeur divine. Le divin près s'assied               
O ramo colocado no meio das mãos
A água me roça tanto os pés quanto a barra da túnica.
Através dos ramos o medo me invade. Minha voz treme.
Fulgor divino. O divino desce sobre mim.
TERCEIRA QUADRA

Quand la litière du toubillon versée,
Et seront faces de leur manteaux couverts,
La république, par gens nouveaux vexée,
Lors blancs et rouges iugeront à l'envers.
Quando as liteiras virarem em turbilhão
E os rostos se cobrirem com mantos
A nova república terá problemas pelo seu povo:
Aí brancos e vermelhos governarão erroneamente.
QUARTA QUADRA

La verge en mains mise au milieu de
Branches
De l'onde il moulle et le limbe et le pìed:
Un peur et voix frémissent par les
manches:                                                                   
Splendeur divine. Le divin près s'assied
No mundo lá será feito um rei,
que terá pouca paz e uma vida pequena,
Neste momento o navio do papado será perdido,
governado a seu maior detrimento.

Segundo Abner Macoto, estudioso de Nostradamus: “As primeiras duas quadras são em geral consideradas como os métodos de trabalho de Nostradamus. Na I a misteriosa palavra ærain que irá aparecer inúmeras vezes nas centúrias. Ali também está a luz (chama). Reconhecemos na II a citação da vara que em geral acompanha os magos e profetas: o cajado, o bastão mágico, a vara de condão.
A terceira sempre entendida como a queda da monarquia durante a Revolução Francesa em 1789 é notável e todos seus elementos podem ser encontrados, como na última linha em que ele fala que os brancos e os vermelhos julgarão ao inverso, quando subiu o partido republicano e caiu o monárquico! O ponto de partida está na queda da monarquia para implantação da república na Roma Antiga.
A quarta ainda é uma profecia para meados desse século XXI, quando pacificamente a igreja católica deverá ter muito menor influencia como já mostram os indicadores. Nessas centúrias não conseguimos identificar bem os locais. Contudo, muitos associam a barca de pesca com o papado. Essa associação é boa, uma vez que a pesca é um bom símbolo para a era de peixes que se encerra 2000 anos depois de começar o cristianismo e tem início a era de aquário.”
Esse é um pequeno exemplo das leituras de Nostradamus. Vejam-se, a seguir, as leituras das Centúrias de Nostradamus para o ano de 2015.
Por enquanto, encontrei apenas citações das principais previsões de Nostradamus para este 2015, não encontrei as passagens em sua obra onde isso aparece:
1)           Os mortos ressuscitarão (Os ricos vão morrer muitas vezes);
2)           A economia mundial vai entrar em colapso;
3)           A radiação queimará o mundo;
4)   O mundo usará uma única língua como antes da Torre de Babel.



SANTA CECÍLIA – PADROEIRA DOS MÚSICOS
Francisco da Silva Romão (1834-1895)
Santa Cecília

Prof. Dr. Oscar Luiz Bisolara 
Santa Cecília é uma jovem romana do século II d. C., consagrada no cristianismo como protetora dos músicos. Descendia das nobres gens romanas dos Cecilii e dos Metelli, tendo como ancestral a importante senhora romana do século I a. C. Cecilia Metella, filha de Quinto Cecílio Metello Crético e esposa de Marco Licínio Crasso, filho do triúnviro de Júlio César.
A jovem Cecília, padroeira dos músicos, nascida de uma nobre família romana, converteu-se ao cristianismo e junto com seu noivo, dedicaram-se à vida religiosa, tendo ambos sido executados como mártires em 180 d. C., durante o governo do imperador Marco Aurélio.
Segundo uma tradição cristã, o papa Pascoal I (817-824) teria mandado abrir o caixão da santa e visto que o corpo estava intato, ainda com o corte da execução no pescoço, na mesma posição em que havia sido enterrado. O papa ordenou que fechassem o caixão e o colocassem em capela consagrada a Santa Cecília, no Trastevere, em Roma.
O cardeal Sfondrati, em 1599, pediu que abrissem novamente o caixão.
Estátua de Stefano Maderno sobre sua tumba,
imitando a postura em que seu corpo foi descoberto
 O corpo da santa foi encontrado da mesma forma como o papa Pascoal havia descrito. Chamou-se então o escultor Stefano Maderno que fez um esboço da imagem e depois esculpiu o que vira em mármore branco, resultando a imagem em tamanho natural, que se encontra na igreja romana de Santa Cecília. 
Desde o século XV, Santa Cecília é nomeada santa protetora da música sacra. A data de 22 de novembro lhe é consagrada, que também é o Dia da Música e dos Músicos. 

Imagem de Santa Cecília no altar-mor da igreja a ela dedicada em Porto Alegre
Muitos artistas elaboraram obras em sua homenagem como o pintor Botticini, e o escultor Stefano Maderno, músicos como Henry Purcell, Georg Friedrich Händel e Benjamin Britten fizeram composições em sua honra. Também os poetas John Dryden, Alexander Pope e Wystan Hugh Auden homenagearam-na com sua arte. Até mesmo músicos populares como Paul Simon, David Byrne e Brian Eno dedicaram composições a Santa Cecília, isso apenas para citar alguns.




Igreja de Santa Cecília - Trastevere - Roma
 Waterhouse, John William - Saint Cecilia -1895


             O ilustre pintor inglês nascido em Roma, John William Waterhouse, tem um memórável quadro intitulado O Sonho de Santa Cecília. 



MEU ENCONTRO COM SÃO FRANCISCO DE ASSIS
Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara

              Embora não pertença oficialmente a nenhuma das três ordens religiosas franciscanas, considero-me franciscano.
SÃO FRANCISCO DE ASSIS, DE VINÍCIUS DE
MORAES, POR OSCAR BRISOLARA
         Tarde ensolarada de fevereiro. 1957. Subo curioso e incauto a avenida margeada por duas cercas entrelaçadas de rosas claras que conduz à entrada do Seminário Santo Antônio, de Vila Flores.
         Eu tinha nove anos e juntei-me a outros trezentos e tantos meninos para ser iniciado na vida franciscana.
         Em poucos dias, aprendi a rotina da casa. Foi-me destinado um irmão guardião que me ia ensinado, passo a passo, a rotina diária da vida franciscana, no seminário dos frades capuchinhos.
         Não se podia falar com os outros, a não ser por absoluta necessidade. Havia, por toda parte, alguma leitura. Nas refeições, cada um lia uma página em voz alta, de vidas de santos ou textos instrutivos, enquanto os demais se alimentavam em silêncio
Seminário Santo Antônio - Vila Flores
         Aliás, levantávamo-nos às cinco horas, higiene, preleção, missa, sala de leituras e café às oito, seguido de limpeza do prédio, aula às nove, quinze para o meio-dia, culto ao Senhor e doze horas almoço. Depois disso, de modo geral se podia falar até as catorze horas, quando se iniciavam as aulas da tarde, que se estendiam até as 16 horas.
         Nesse horário, lanche e trabalhos nos pomares e hortas. Às 18 horas era a reza terço (rosário), em seguida, estudos até as 20 horas, quando se servia o jantar. Após esse, havia um período livre que podia ser empregado em leituras até que, às 21h e 30 min se faziam as preces da noite, após o que se ia dormir em dormitórios com cinquenta leitos cada um.
         E nisso, passaram-se doze anos. E o espírito franciscano, a filosofia e o pensamento cristo foram sendo gradativamente incutidos em nossas mentes e espíritos.

Gruta do Seminário - Vila Flores
         Férias, vinte dias anuais. Mas havia passeios pelos campos e rios, todos os meses, ora mais próximos, ora distantes. E Francisco foi-se-me revelando com todo o seu idealismo. Havia dias em que era apenas rotina, mas houve muitos encantamentos. Inclusive revelações cujo sentido ainda estou desvendando.
         Francisco nasceu Giovanni Bernardone, de Pietro Bernardone dei Moriconi e da nobre Pica Bourtemont, no remoto 1182, na rica família da burguesia de origem francesa, na pequena Assis, proximidades da Roma cristã, em pleno regime feudalista medieval. Seu pai dedicava-se ao seleto ramo do comércio de tecidos finos.
         Teve, o santo, uma infância feliz e privilegiada. O genitor aguardava o crescimento do filho para tomar a frente dos negócios da família. O jovem preparava-se, estudando na escola paroquial, como o faziam os demais jovens ricos desse tempo.
         Giovanni viajava muito à França, país que amava tanto que aconteceu receber o apelido do Francisco. Porém houve um conflito armado entre a sua Assis e a vizinha Perugia, que iniciara no ano de 1154. Enquanto Assis pertencia à facção política dos Ghibellini, Perugia estava com os Guelfi. O jovem idealista Francisco, nome pelo qual já era conhecido Giovanni, em 1202, alista-se com seus concidadãos e vai para a guerra. No entanto, é capturado pelo inimigo e encarcerado. A derrota e a prisão levam-no a repensar seu projeto de vida, até então fútil e sem sentido.
         Em 1203, retorna para casa, depois de um ano de prisão e pagamento de um resgate, porém, está gravemente enfermo. Trata-se em uma propriedade do pai, onde desenvolve o amor à natureza, que descobre ser obra divina.
         Recuperado, volta-se para o ideal religioso. Primeiramente, dedica-se ao amor ao próximo, iniciando por distribuir aos pobres, tecidos da loja paterna. Isso irrita profundamente o pai.
         Em nova investida cavalheiresca, decide participar das cruzadas que os cristãos empreendiam para libertar a terra santa, de modo especial Jerusalém, das mãos dos muçulmanos. Nessa primeira tentativa, é obrigado a desistir por causa de sua debilidade de sua saúde.
     Então, principia por dedicar-se, primeiramente aos leprosos, proscritos da sociedade a essa época. É conhecido o fato de ele ter presenteado um deles, num dia de inverno, com se próprio manto de luxo, e mais, contra qualquer precaução, beijou-lhe a face. A lepra era doença incurável e altamente contagiosa. Esse ato marcou uma mudança radical em seu comportamento.
     Foi então que ouviu a voz divina solicitando que para que reformasse sua igreja. Como é comum em todo o homem ao primeiro apelo divino, julgou que deveria reformar o templo. Assim, reconstruiu a pequena igreja de São Damião, fora dos muros da cidade, que se encontrava abandonada e em ruínas.
Nesse período, pela censura do pai à sua caridade que era considerada pela família como perdulária, abandona a casa paterna numa cena quase folclórica. Na igreja, diante do bispo, joga suas vestes aos pés do pai, renuncia à própria herança e pede asilo ao templo. O bispo, desde então, passou a protegê-lo.
Capela da Porciúncula
Basilica di Santa Maria degli Angeli
     Passa, desde então, a reformar igrejas com as próprias mãos. Afeiçoa-se de modo especial à igrejinha da Porciúncula, pequeno templo fora dos muros, pois é também nela que começa a reunir amigos também desiludidos com o sistema social então vigente. Eles passam a reunir-se nesse local e a viver da mendicância.
     Ao contrário do que se poderia esperar, mesmo homens ricos, desiludidos com os ideais da nobreza medieval, abandonam tudo e seguem o mendicante Francisco. Quando percebe que tem um grande número de seguidores, cria uma regra para si e seus irmãos, com 23 e três capítulos, para garantir a unidade da instituição.
     Em Roma, consegue a aprovação de sua regra, cujo objetivo era literalmente seguir a Jesus Cristo na mais absoluta pobreza, segundo os Evangelhos. O papa Inocêncio III reconhece a nova ordem.
     Como o abade beneditino responsável pela capela da Porciúncula doasse à nova ordem religiosa esse pequeno templo e a área adjacente, aí se tornou a sede inicial dos franciscanos.
     Essa capelinha se mantém até os dias de hoje dentro da grandiosa basílica de Santa Maria degli Angeli que foi construída sobre ela e, consagrada em 1679.
     Logo nos primeiros tempos, juntou-se a Francisco, Clara d'Offreducci, jovem contemporânea dele que seria a fundadora das irmãs Clarissas. A elas, Francisco conseguiu a liberação da capela de São Damião.
            Por volta desse tempo, quis juntar-se a ele também o espanhol Domingos de Gusmão a quem o jovem idealista italiano solicitou que fundasse sua própria ordem. Havia muita diferença entre suas concepções. Saliente-se que Francisco já havia acolhido muitos outros seguidores. Domingos funda, então, a Ordem dos Frades Dominicanos, que serão responsáveis pela chamada Santa Inquisição.
            Conta-se que nesse período o jovem santo fez diversos milagres. Dirigiram-se de navio à Síria, para pregarem o Evangelho, mas foram expulsos de lá. Conta-se que amainou uma tempestade e multiplicou os alimentos quando os marinheiros estavam a morrer de fome. De volta à Itália, curou diversos enfermos.
            Prosperava sua fama de santidade, quando recebeu a doação do monte Alverne, onde construiu um abrigo para seus confrades. Já em 1214 dirigiu-se ao Marrocos onde tencionava pregar aos mouros. Porém, foi nessa ocasião que se juntou aos cruzados.
            Inscreve-se em uma incursão militar das diversas que houve em apoio aos cruzados entre a quarta e quinta cruzada. Nesse período, os cristãos sofriam pesadas baixas frente às tropas muçulmanas do poderoso sultão Saladino (Selah'edînê Eyubî), que dominava o Oriente, da Síria ao Egito.
         Pois Francisco, arriscando a própria vida, dirigiu-se ao campo onde estava o sultão Malik AL-Kâmil, neto do poderoso sultão. Isso teria ocorrido em setembro de 1219.
         Enquanto os cristãos sofriam pesadas baixas enfrentando os muçulmanos curdos, Francisco prevê a derrota dos europeus. Não há certeza do teor do diálogo entre eles. Acontece que o sultão, após o contato de seu neto com Francisco, propôs um acordo de não agressão, embora os cristãos tivessem conquistado apenas uma pequena faixa no litoral.
Por esse acordo, cada facção ficaria de posse dos territórios que ocupavam nesse momento, porém seria permitido aos cristãos visitarem os lugares sagrados da sua religião, contanto que entrassem desarmados.
Depois, temendo que alguns dos de seu exército, pela eficácia da palavra de São Francisco, fossem convertidos para o Senhor, o sultão o fez conduzir, com toda sorte de considerações e em perfeita segurança, ao campo dos nossos, dizendo-lhe por despedida: Reze por mim para que Deus se digne de me revelar a lei e a fé que mais lhe agrada.
Segue-se, então uma série de milagres de todos os tipos. Um acontecimento que foi perenizado em diversos movimentos foi o apaziguamento do lobo de Gúbio. Tratava-se de um animal feroz que atacava animais e homens. E eis que, vendo muitos citadinos, os quais tinham vindo para ver aquele milagre, o dito lobo foi ao encontro de São Francisco com a boca aberta: e chegando-se a ele São Francisco fez o sinal da cruz e o chamou a si, e disse-lhe assim:
“Vem cá, irmão lobo, ordeno-te da parte de Cristo que não faças mal nem a mim nem a ninguém”.
Imediatamente após São Francisco ter feito a cruz, o lobo terrível fechou a boca e cessou de correr; e dada a ordem, vem mansamente como um cordeiro e se lança aos pés de São Francisco como morto.

São Francisco e o lobo de Gúbio - USA
Conta-se, que desse momento em diante, o lobo passou a viver nas ruas de Gúbio, recebendo alimento das pessoas, como se fora um cão doméstico, tendo vindo a falecer de morte natural dois anos mais tarde.
Francisco passou na ter êxtases místicos, continuando a pregar, mendigando por aldeias e cidades, pois o essencial em sua ordem religiosa eram os votos de pobreza, obediência e castidade.
Em 1223, organizou uma festa natalina em que fez o primeiro presépio, imitando a gruta em que nascera Jesus Cristo. Essa festa deu origem aos presépios tão usados até nossos dias. Tinha o hábito de embrenhar-se nas matas para meditar e orar. Afirma-se que tinha visões sagradas das quais, algumas vezes, alguns de seus frades mais íntimos compartilhavam. Nos estados contemplativos, eram-lhe reveladas por Deus, não somente coisas do presente, mas também do futuro, assim como lhe fazia conhecer as dúvidas, os secretos desejos e os pensamentos dos irmãos.
Numa dessas ocasiões, segundo relata a coletânea I Fioretti di San Francesco, o Irmão Leo o viu levar a mão ao peito e parecer tirar algo de lá e oferecer a uma língua de fogo que descera sobre ele. Perguntando depois o que sucedera, Francisco respondeu:
"Por que vieste aqui, irmão cordeirinho? Diz-me: viste ou ouviste alguma coisa?
"Leo respondeu: Pai, ouvi-te falar e repetir várias vezes: 'Quem és Tu? Quem és Tu, oh dulcíssimo Deus? E eu quem sou, verme desprezível e teu inútil servo?'

Giotto: Estigmatização de São Francisco (detalhe), 
c. 1300. Museu do Louvre.

         Nessa ocasião teria recebido os estigmas, as chagas do próprio Jesus Cristo, durante uma dessas meditações, em 14 de setembro de 1224, sendo o primeiro cristão a ser estigmatizado, mas enquanto isso lhe trazia alegria, sendo um sinal do favor divino, foi-lhe motivo de muito embaraço e sofrimento físico.
Procurou sempre ocultar os estigmas com ataduras ou mesmo com o próprio hábito que vestia de tal forma que poucos irmãos perceberam esses estigmas enquanto ele viveu. Seus amigos mais íntimos revelaram que essas chagas lhe causavam enorme dor.
Percebendo que a morte se aproximava, embora ainda fosse muito jovem, tinha apenas 44 anos, procurou, então, a amiga Clara, na capela de São Damião de quem se despediu, retornando, em seguida, para a capelinha da Porciúncula. Em 4 de outubro de 1226, depois de orar e ler algumas passagens do Evangelho, faleceu. Essa é sua data festiva, conforme o costume da época, pois a morte é o nascimento para a vida perene..
         Foi canonizado santo apenas dois anos após sua morte, em 1228. Em 1230 foi consagrada a Basílica de Assis, onde se encontram as relíquias do santo. A igreja foi decorada com afrescos do grande pintor Giotto di Bondone.
Basílica de São Francisco - Assis














OBRAS DE FRANCISCO DE ASSIS
CÂNTICO DAS CRIATURAS – TEXTO ORIGINAL EM DIALETO ÚMBRIO E TRADUÇÃO PORTUGUESA


Texto original em dialeto úmbrio
Tradução em português
Altissimu, onnipotente bon Signore,
Tue so' le laude, la gloria e l'honore et onne benedictione.
Ad Te solo, Altissimo, se konfano,
et nullu homo ène dignu te mentovare.
Laudato sie, mi' Signore cum tucte le Tue creature,
spetialmente messor lo frate Sole,
lo qual è iorno, et allumeni noi per lui.
Et ellu è bellu e radiante cum grande splendore:
de Te, Altissimo, porta significatione.
Laudato si', mi Signore, per sora Luna e le stelle:
in celu l'ài formate clarite et pretiose et belle.
Laudato si', mi' Signore, per frate Vento
et per aere et nubilo et sereno et onne tempo,
per lo quale, a le Tue creature dài sustentamento.
Laudato si', mi' Signore, per sor Aqua,
la quale è multo utile et humile et pretiosa et casta.
Laudato si', mi Signore, per frate Focu,
per lo quale ennallumini la nocte:
ed ello è bello et iocundo et robustoso et forte.
Laudato si', mi' Signore, per sora nostra matre Terra,
la quale ne sustenta et governa,
et produce diversi fructi con coloriti flori et herba.
Laudato si', mi Signore, per quelli che perdonano per lo Tuo amore
et sostengono infirmitate et tribulatione.
Beati quelli ke 'l sosterranno in pace,
ka da Te, Altissimo, sirano incoronati.
Laudato si' mi Signore, per sora nostra Morte corporale,
da la quale nullu homo vivente po' skappare:
guai a quelli ke morrano ne le peccata mortali;
beati quelli ke trovarà ne le Tue sanctissime voluntati,
ka la morte secunda no 'l farrà male.
Laudate et benedicete mi Signore et rengratiate
e serviateli cum grande humilitate…
Altíssimo, omnipotente, bom Senhor,
a ti o louvor, a glória, a honra e toda a bênção.
A ti só, Altíssimo, se hão-de prestar
e nenhum homem é digno de te nomear.
Louvado sejas, ó meu Senhor, com todas as tuas criaturas,
especialmente o meu senhor irmão Sol,
o qual faz o dia e por ele nos alumias.
E ele é belo e radiante, com grande esplendor:
de ti, Altíssimo, nos dá ele a imagem.
Louvado sejas, ó meu Senhor, pela irmã Lua e as Estrelas:
no céu as acendeste, claras, e preciosas e belas.
Louvado sejas, ó meu Senhor, pelo irmão Vento
e pelo Ar, e Nuvens, e Sereno, e todo o tempo,
por quem dás às tuas criaturas o sustento.
Louvado sejas, ó meu Senhor, pela irmã Água,
que é tão útil e humilde, e preciosa e casta.
Louvado sejas, ó meu Senhor, pelo irmão Fogo,
pelo qual alumias a noite:
e ele é belo, e jucundo, e robusto e forte.
Louvado sejas, ó meu Senhor, pela nossa irmã a mãe Terra,
que nos sustenta e governa, e produz variados frutos,
com flores coloridas, e verduras.
Louvado sejas, ó meu Senhor, por aqueles que perdoam por teu amor
e suportam enfermidades e tribulações.
Bem-aventurados aqueles que as suportam em paz,
pois por ti, Altíssimo, serão coroados.
Louvado sejas, ó meu Senhor, por nossa irmã a Morte corporal,
à qual nenhum homem vivente pode escapar:
Ai daqueles que morrem em pecado mortal!
Bem-aventurados aqueles que cumpriram a tua santíssima vontade,
porque a segunda morte não lhes fará mal.
Louvai e bendizei a meu Senhor, e dai-lhe graças
e servi-o com grande humildade…

São Francisco e os pássaros - Gioto

Preghiera di San Francesco
Oh, Signore,
fa' di me lo strumento della Tua Pace;
Là, dove è l'odio che io porti l'amore.
Là, dove è l'offesa che io porti il Perdono.
Là, dove è la discordia che io porti l'unione.
Là, dove è il dubbio che io porti la Fede.
Là, dove è l'errore che io porti la Verità.
Là, dove è la disperazione che io porti la speranza.
Là, dove è la tristezza, che io porti la Gioia.
Là, dove sono le tenebre che io porti la Luce.
Oh Maestro,
fa' ch'io non cerchi tanto d'essere consolato, ma di consolare.
Di essere compreso, ma di comprendere.
Di essere amato, ma di amare.
Poiché:
è donando che si riceve,
è perdonando che si ottiene il Perdono,
ed è morendo, che si risuscita alla Vita eterna. 
Ascolta la preghiera in formato audio

Oração de São Francisco de Assis
Senhor: Fazei de mim um instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o Amor,
Onde houver Ofensa, que eu leve o perdão.
Onde houver discórdia, que eu leve a união.
Onde houver erro, que eu leve a verdade.
Onde houver desespero, que eu leve a esperança.
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria.
Onde houver trevas, que eu leve a luz!
Ó Mestre,
fazei que eu procure mais:
consolar, que ser consolado;
compreender, que ser compreendido;
amar, que ser amado.
Pois é dando que se recebe,
perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que se vive para a vida eterna!
Amém.
Prière de saint François
Seigneur, faites de moi un instrument de votre paix.
Là où il y a de la haine, que je mette l’amour.
Là où il y a l’offense, que je mette le pardon.
Là où il y a la discorde, que je mette l’union.
Là où il y a l’erreur, que je mette la vérité.
Là où il y a le doute, que je mette la foi.
Là où il y a le désespoir, que je mette l’espérance.
Là où il y a les ténèbres, que je mette votre lumière.
Là où il y a la tristesse, que je mette la joie.
Ô Maître, que je ne cherche pas tant à être consolé qu’à consoler, à être compris qu’à comprendre, à être aimé qu’à aimer, car c’est en donnant qu’on reçoit, c’est en s’oubliant qu’on trouve, c’est en pardonnant qu’on est pardonné, c’est en mourant qu’on ressuscite à l’éternelle vie.
Visão de São Francisco - Giotto

Prayer of Saint Francis
Lord, make me an instrument of Thy peace;
where there is hatred, let me sow love;
where there is injury, pardon;
where there is doubt, faith;
where there is despair, hope;
where there is darkness, light;
and where there is sadness, joy.
O Divine Master,
grant that I may not so much seek to be consoled as to console;
to be understood, as to understand;
to be loved, as to love;
for it is in giving that we receive,
it is in pardoning that we are pardoned,
and it is in dying that we are born to Eternal Life.
Amen.
Oração a São Francisco de Assis em espanhol

Señor, haz de mí un instrumento de tu paz.
Donde haya odio, que yo lleve el amor;
donde haya ofensa, que yo lleve el perdón;
donde haya discordia, que yo lleve la unión;
donde haya duda, que yo lleve la fe;
donde haya error, que yo lleve la verdad;
donde haya desesperación, que yo lleve la esperanza;
donde haya tristeza, que yo lleve la alegría;
donde haya tinieblas, que yo lleve la luz.
Oh, Maestro, haz que yo procure más consolar, que ser consolado;
comprender que ser comprendido;
amar, que ser amado,
pues es dando como se recibe,
es perdonando como se es perdonado,
y es muriendo como se vive para la vida eterna.


Gebet im Geiste des Hl
Franz von Assisi

Herr, mache mich zum Werkzeug Deines Friedens:

dass ich Liebe bringe, wo man sich hasst.
dass ich Versöhnung bringe, wo man sich kränkt.
dass ich Einigkeit bringe, wo Zwietracht ist.
dass ich den Glauben bringe, wo Zweifel quält.
dass ich Wahrheit bringe, wo Irrtum herrscht.
dass ich die Hoffnung bringe, wo Verzweiflung droht.
dass ich die Freude bringe, wo Traurigkeit ist.
dass ich das Licht bringe, wo Finsternis waltet.
O Meister, hilf mir, dass ich nicht danach verlange:

Getröstet zu werden, sondern zu trösten.
Verstanden zu werden, sondern zu verstehen.
Geliebt zu werden, sondern zu lieben.

Denn:
Wer gibt, der empfängt,
wer verzeiht, dem wird verziehen.
Wer stirbt, der wird zum ewigen Leben geboren.
Amen. 



SANTA CATARINA LABOURÉ

Santa Catarina Labouré (2 de maio de 1806 - 31 de dezembro de 1876) foi uma religiosa da França, co-fundadora da Pontifícia Associação da Juventude Mariana Vicentina (J.M.V.), e quem recebeu algumas aparições de Nossa Senhora reconhecidas pela Igreja Católica para a revelação de um devocional: a chamada Medalha Milagrosa.


BIOGRAFIA
   Catarina nasceu em Fain-lès-Moutiers, filha de Pierre Labouré. Quando tinha nove anos sua mãe morreu, e Catarina, a pedido de seu pai, passou a cuidar de dois de seus irmãos. Sentiu uma forte vocação religiosa, entrou para a Congregação das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo. Era extremamente devota, um tanto romântica, e dada a visões e intuições místicas. Foi através de um sonho que teve com São Vicente que ela escolheu a Ordem em que entrou. Tendo cedo perdido a mãe, era especialmente apegada à Santíssima Virgem Maria.
   Durante a noite 18 de julho de 1830, Catarina acordou depois de ouvir a voz de uma criança que dizia:irmã, todo mundo está dormindo, vem à capela, a Virgem Maria a espera. Acreditando na voz, Catarina segue a criança. Chegando à capela, a noviça vê a Virgem Maria que pede a jovem vidente que seja fundada por seu diretor espiritual, o sacerdote francês, João Maria Aladel da Congregação da Missão, uma Associação de Filhos e Filhas de Maria, atualmente conhecida como Juventude Mariana Vicentina, responsável pela difusão da Medalha Milagrosa de Nossa Senhora das Graças apresentada a Catarina nas visões posteriores que se encerraram em 27 de Novembro de 1830 quando a Virgem se apresenta como Nossa Senhora das Graças


Medalha milagrosa

   Morreu em 31 de dezembro de 1876. Seu corpo foi exumado em 1933, sendo encontrado incorrupto, e hoje é exposto à veneração na capela de sua Ordem, a mesma onde aconteceram as visões, na Rue du Bac, 140, em Paris. Foi beatificada em 1933 pelo Papa Pio XI e canonizada em 27 de julho de 1947 pelo Papa Pio XII, 100 anos após a aprovação pontifical da Juventude Mariana Vicentina (J.M.V.), solicitada pela própria Catarina e pelo Padre Aladel.

Santuário da Medalha Milagrosa, Paris.




   Esta invocação está relacionada a duas aparições da Virgem a Santa Catarina Labouré, então uma noviça das Irmãs da Caridade em Paris, França, no século XIX.
   A primeira aparição aconteceu na noite da festa de São Vicente de Paulo, 19 de julho, quando a Madre Superiora de Catarina pregou às noviças sobre as virtudes de seu santo fundador, dando a cada uma um fragmento de sua sobrepeliz. Catarina então orou devotamente ao santo patrono para que ela pudesse ver com seus próprios olhos a Mãe de Deus, e convenceu-se de que seria atendida naquela mesma noite.
Indo ao leito, adormeceu, e antes que tivesse passado muito tempo foi despertada por uma luz brilhante e uma voz infantil que dizia: "Irmã Labouré, vem à capela; Santa Maria te aguarda". Mas ela replicou: "Seremos descobertas!". A voz angélica respondeu: "Não te preocupes, já é tarde, todos dormem... vem, estou à tua espera". Catarina então levantou-se depressa e dirigiu-se à capela, que estava aberta e toda iluminada. Ajoelhou-se junto ao altar e logo viu a Virgem sentada na cadeira da superiora, rodeada por um esplendor de luz. A voz continuou: "A santíssima Maria deseja falar-te". Catarina adiantou-se e ajoelhou-se aos pés da Virgem, colocando suas mãos sobre seu regaço, e Maria lhe disse:

"Deus deseja te encarregar de uma missão. Tu encontrarás oposição, mas não temas, terás a graça de poder fazer todo o necessário. Conta tudo a teu confessor. Os tempos estão difíceis para a França e para o mundo. Vai ao pé do altar, graças serão derramadas sobre todos, grandes e pequenos, e especialmente sobre os que as buscarem. Terás a proteção de Deus e de São Vicente, e meus olhos estarão sempre sobre ti. Haverá muitas perseguições, a cruz será tratada com desprezo, será derrubada e o sangue correrá". 

   Depois de falar por mais algum tempo, a Virgem desapareceu. Guiada pelo anjinho, Catarina deixou a capela e voltou para sua cela.
   Catarina continuou sua rotina junto das Irmãs da Caridade até o Advento. Em 27 de novembro de 1830, no final da tarde, Catarina dirigiu-se à capela com as outras irmãs para as orações vespertinas. Erguendo seus olhos para o altar, ela viu novamente a Virgem sobre um grande globo, segurando um globo menor onde estava inscrita a palavra "França". Ela explicou que o globo simbolizava todo o mundo, mas especialmente a França, e os tempos seriam duros para os pobres e para os refugiados das muitas guerras da época.
   Então a visão modificou-se e Maria apareceu com os braços estendidos e dedos ornados por anéis que irradiavam luz e rodeada por uma frase que dizia: "Oh Maria, concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a vós". Desta vez a Virgem deu instruções diretas: "Faz cunhar uma medalha onde apareça minha imagem como a vês agora. Todos os que a usarem receberão grandes graças". Catarina perguntou por que alguns anéis não irradiavam luz, e soube que era pelas graças que não eram pedidas. Então Maria voltou-lhe as costas e mostrou como deveria ser o desenho a ser impresso no verso da medalha. Catarina também perguntou como deveria proceder para que a ordem fosse cumprida. A Virgem disse que ela procurasse a ajuda de seu confessor, o padre Jean Marie Aladel.
   De início o padre Jean não acreditou no que Catarina lhe contou, mas depois de dois anos de cuidadosa observação do proceder de Catarina ele finalmente dirigiu-se ao arcebispo, que ordenou a cunhagem de duas mil medalhas, ocorrida em 20 de julho de 1832. Desde então, a devoção a esta medalha, sob a invocação de Santa Maria da Medalha Milagrosa, não cessou de crescer. Catarina nunca divulgou as aparições, salvo pouco antes da morte, autorizada pela própria Maria Imaculada.


A invocação à Virgem das Graças

A própria medalha contém as palavras por que a Santa Mãe de Deus quis ser invocada:

Ó Maria concebida sem pecado, rogai por nós que recorremos a Vós.

   Essa inscrição já sintetiza boa parte da mensagem que a Virgem Mãe revelou: a Imaculada Conceição, pela primeira vez objeto de revelação particular, em 1858 ratificada em Lurdes, e transformada em dogma pelo Papa Pio IX, com a bula Ineffabilis Deus, e a mediação da Mãe de Deus junto ao seu Divino Filho. Usar essa invocação, portanto, significa acreditar que a Virgem das virgens é a Medianeira imaculada. A maior imagem de Nossa Senhora das Graças está situada em Irati-PR-bRSIL, e possui 22 metros de altura.

Simbolismo da Medalha Milagrosa

· A serpente: Maria aparece esmagando a cabeça da serpente. A mulher que esmaga a cabeça da serpente, que é o demônio, já estava predita na Bíblia, no livro do Gênesis: "Porei inimizade entre ti e a mulher...Ela te esmagará a cabeça e tu procurarás, em vão, morder-lhe o calcanhar". Deus declara iniciada a luta entre o bem e o mal. Essa luta é vencida por Jesus Cristo, o "novo Adão", juntamente com Maria, a co-redentora, a "nova Eva". É em Maria que se cumpre essa sentença de Deus: a mulher finalmente esmaga a cabeça da serpente, para que não mais a morte pudesse escravizar os homens.

· Os raios: Simbolizam as graças que Nossa Senhora derrama sobre os seus devotos. A Santa Igreja, por isso, a chama Tesoureira de Deus.

· As 12 estrelas: Simbolizam as 12 tribos de Israel. Maria Santíssima também é saudada como "Estrela do Mar" na oração Ave, Stella Maris.

· O coração cercado de espinhos: É o Sagrado Coração de Jesus. Foi Maria quem o formou em seu ventre. Nosso Senhor prometeu a Santa Margarida Maria Alacoque a graça da vida eterna aos devotos do seu Sagrado Coração, que simboliza o seu infinito e ilimitado Amor.

· O coração transpassado por uma espada: É o Imaculado Coração de Maria, inseparável ao de Jesus: mesmo nas horas difíceis de Sua Paixão e Morte na Cruz, Ela estava lá, compartilhando da Sua dor, sendo a nossa co-redentora.

· O M: Significa Maria. Esse M sustenta o travessão e a Cruz, que representam o calvário. Essa simbologia indica a íntima ligação de Maria e Jesus na história da salvação.

· O travessão e a Cruz: Simbolizam o calvário. Para a doutrina católica, a Santa Missa é a perpetuação do sacrifício do Calvário, portanto, ressaltam a importância do Sacrifício Eucarístico na vida do cristão.










SANTO EXPEDITO

   Pouco se sabe, historicamente falando, sobre a vida de santo expedito. Possivelmente tenha sido um cristão martirizado em Malatya é uma cidade e da Turquia com uma população de 494.918 habitantes.
Esta cidade é conhecida também como Melitene uma região habitada por armênios, na Turquia. A Armênia é um sem costa marítima localizado numa região montanhosa na Eurásia entre o mar Negro e o mar Cáspio, no sul do Cáucaso. É uma nação que vive parte no território turco, parte no território russo.
   Nada se sabe sobre sua vida nem onde foi sepultado. Muitos pesquisadores questionam se ele de fato existiu. Contudo, formou-se um folclore ao seu redor e ele é objeto de grande devoção popular em muitos países como o santo das causas urgentes, às vezes em sincretismo com figuras de outros credos.

MESQUITA DE MALATYA


   O nome Expeditus (expedito) pode ser uma corruptela de Elpidius, conforme sugerem os beneditinos de paris. Outra hipótese é de que o nome tenha derivado de spedito, palavra inscrita numa caixa com relíquias de um santo desconhecido retiradas das catacumbas de Roma e enviada a paris no século xvii. Contudo, spedito em italiano significa "enviado" ou "rápido", e pode significar simplesmente que a caixa havia sido marcada como despachada ou que devia ser enviada com presteza ao seu destino.
   As freiras interpretaram a inscrição como se fosse o nome do santo e passaram a divulgar sua devoção, latinizando o nome para expeditus. Esta história, relatada pelo religioso inglês Alban Butler em sua famosa obra hagiográfica He lives of the fathers, martyrs and other principal saints (1756–1759), tampouco tem fonte segura, e circulam várias outras versões mais ou menos parecidas, que mudam datas e locais.         Assinale-se que expeditus também era uma categoria militar do exército romano, correspondente ao soldado da infantaria ligeira, e daí pode ter derivado seu nome.
   A lenda mais corrente sobre sua vida mostra-o como um militar romano, comandante-em-chefe da 12ª legião, conhecida como "fulminata", aquartelada em Melitene, e encarregada de proteger o império das invasões dos bárbaros orientais com um efetivo de mais de 6.800 soldados. sendo cristão, como era a maioria de seus subordinados, todos nativos da Armênia, teria sido condenado durante as perseguições de Diocleciano no dia 19 de abril do ano 303, sendo martirizado e por fim decapitado com a espada por recusar-se a adorar os deuses pagãos. Outra lenda diz respeito à sua conversão ao cristianismo. tentado por um demônio em forma de corvo que gritava cras! cras! (em latim, "amanhã"), que surgiu para adiar sua conversão, teria pisado a criatura dizendo hodie! ("hoje"), significando sua disposição heroica de converter-se de imediato.


   Não há qualquer registro de haver se formado uma tradição sobre ele na antiguidade, mas no século VIII ele já recebia culto na Germânia e na Sicília. Seu culto só iniciou uma difusão mais larga por volta do século XVII, talvez a partir da frança, ou da Alemanha, onde era representado como um advogado pisando um corvo que grita cras! Cras!, significando as intermináveis delongas nos processos judiciais, contra as quais ele era invocado. Em 1781, foi designado padroeiro de Acireale, na Sicília, e desde então sua devoção se espalhou rapidamente por muitos países.
  É possível que sua ligação com as causas urgentes derive unicamente do significado do seu nome. Tradicionalmente também, é o patrono dos mercadores, navegantes, estudantes e dos que vão prestar exames, mas em anos recentes ele tem sido invocado por hackers, geeks e procrastinadores habituais da slaker generation como seu protetor. 
   É o patrono oficial da república da Molóssia, micronação não reconhecida internacionalmente. No Brasil, sua veneração ganhou corpo nos anos 80 e hoje ele tem multidões de devotos, e sua imagem circula em chaveiros, cartazes, panfletos e santinhos distribuídos aos milhares. Deu seu nome ao município de Santo Expedito, em São Paulo.
  Sua posição oficial na igreja católica é incerta. No Martyrologium Hieronianum ele aparecia ao lado de outros mártires comemorados entre os dias 18 e 19 de abril. A igreja reconhece a devoção popular e existem igrejas e capelas a ele dedicadas em muitas partes do mundo, mas não foi incluído na edição de 2001 do Martyrologium Romanum.
  Sua representação mais comum é a de um soldado romano, com traje de legionário (soldado romano), vestido de armadura, túnica curta e manto jogado atrás das espáduas, com postura marcial. Em uma mão sustenta a palma do martírio e na outra uma cruz, que ostenta a palavra hodie, em referência ao episódio do espírito do mal, o corvo, que lança seu grito habitual cras! E que é representado debaixo de seu pé.


ORAÇÃO DE SANTO EXPEDITO

MEU SANTO EXPEDITO DAS CAUSAS JUSTAS E URGENTES INTERCEDEI POR MIM JUNTO A NOSSO SENHOR JESUS CRISTO, SOCORREI-ME NESTA HORA DE AFLIÇÃO E DESESPERO, MEU SANTO EXPEDITO, VÓS SOIS O SANTO DOS AFLITOS, VÓS SOIS O SANTO DOS DESESPERADOS, VÓS SOIS O SANTO DAS CAUSAS URGENTES,
PROTEJEI-ME, AJUDAI-ME, DAI-ME FORÇA, CORAGEM E SERENIDADE. ATENDEI O MEU PEDIDO (fazer o pedido). MEU SANTO EXPEDITO! AJUDAI-ME A SUPERAR ESTAS HORAS DIFÍCEIS, PROTEJEI-ME DE TODOS QUE POSSAM ME PREJUDICAR, PROTEJEI MINHA FAMÍLIA,ATENDEI O MEU PEDIDO COM URGÊNCIA. DEVOLVEI-ME A PAZ E A TRANQUILIDADE, MEU SANTO EXPEDITO! SEREI GRATO PARA O RESTO DA MINHA VIDA E LEVAREI O VOSSO NOME A TODO OS QUE TÊM FÉ.

São Longuinho


Perguntado um dia sobre a origem de São Longuinho, se seria um santo de fato ou uma brincadeira, recordei os estudos das antigas hagiografias, ou seja, vidas de santos.
São Longuinho não faz parte dos santos canônicos, isto é, os canonizados pela Igreja, mas é cultuado em muitos países, mormente em Portugal, especialmente na cidade de Braga. Também existem devotos desse santo em muitas cidades brasileiras.
Há uma tradição de que seria o soldado romano encarregado de terminar com a vida dos executados na sexta-feira para que o sábado, sagrado para os judeus, não fosse profanado por qualquer atividade. Passando pelos crucificados, quebrava-lhes as pernas para que se sufocassem sob o peso do corpo que ficava pendente apenas pelos braços.
Quando chegou a Jesus, percebendo que já estava morto, apenas perfurou-lhe o peito com a lança para certificar-se da sua morte. Algumas gotículas de líquido teriam caído do corpo do trespassado nos olhos do soldado que sofria de grave doença ocular. Milagrosamente teria sarado, em razão de que se teria convertido aos seguidores de Jesus, mais tarde tendo sido martirizado em razão de sua fé vindo a tornar-se então santo, São Longuinho.
Eu prefiro o nome LONGINO (longinus, em latim) que se origina da palavra grega λονγχή, que significa lança, daí Longino, ou lanceiro.


NOSSA SENHORA DA EXPECTAÇÃO DO PARTO DA SENHORA OU NOSSA SENHORA DO Ó É A VIRGEM PROTETORA DAS MULHERES GRÁVIDAS


No histórico da imagem de Nossa Senhora da Expectação do Parto da Senhora ou Nossa Senhora do Ó, a protetora das mulheres grávidas, na biblioteca do Museu de Torres Novas consta que a virgem ficou mais conhecida como Nossa Senhora do Ó pelo fato de começar pelo "Ó" cada uma das antífonas que a igreja canta nos sete dias que precedem o Natal.
Há que diga que o "Ó" poderia ser também a letra mais próxima do formato ovalado de uma barriga grávida". A Igreja, em outros tempos, quis divinizar a gravidez da mãe de Cristo e assim deificar a missão mais nobre da mulher: a maternidade, mas depois as imagens de Nossa Senhora grávida presentes nas igrejas, por questões de moralismo, foram enterradas ou destruídas pela Igreja, sobrando poucas, uma delas no Conselho de Torres Novas (Portugal). Registram-se outras imagens em Águas Santas, Elvas, Tomar, Viseu e Sobral da Adiça.
Não conseguiu essa intolerância, segundo o livro citado, contudo, evitar que as mulheres grávidas, em Portugal, fossem cheias de fé, implorar a proteção da virgem grávida. Nossa Senhora do Ó, segundo o livro do Museu de Torres Novas, deveria ser bem glorificada pela suprema honra de albergar em seu ventre o filho de Deus, tanto que consta da oração do Pai Nosso o verso: "Bendito é o fruto do vosso ventre, Jesus!".
A citada imagem do livro, de Nossa Senhora do Ó, tem seis palmos de comprimento, está com a mão esquerda assenta no ventre e não no peito, como se verifica normalmente nas imagens de invocação.
ETZEL, Eduardo. Nossa Senhora da Expectação ou do Ó. São Paulo: Bovespa, 1985.