sexta-feira, 25 de outubro de 2013

FLORES DA PRIMAVERA

    
      Flores amarelas. Há um período da flor amarela. Amarela. Em essência amarela. Tudo amarelo... o campo... o horizonte amarelo... O campo emenda-se ao céu... o céu amarelo, o sol, amarelo... Essas flores remetem-me à minha infância de menino do campo. A flor amarela não era poética como a vejo agora. Era a entressafra (off- season, diz-se hoje). Havia flores, flores em abundância. Não havia dinheiro. Era o período do preparo do solo para as culturas de verão. "Sai andando e chorando, enquanto semeia.", diz o Salmo (Sl 126: 5). Meu pai praguejava nesse tempo. Malditas flores amarelas, dizia, não servem para nada: os animais não comem, infestam tudo. 
     Hoje amo as flores amarelas. As estradas ficam acolchoadas de flores. Os animais continuam não comendo as flores amarelas. Mas elas conferem um encanto especial e efêmero às margens dos caminhos. Elas continuam as mesmas de sempre. Mudei eu. Como mudei. Meus cabelos louros... meus pés descalços... os riachos... os caminhos sem asfalto. Hoje, cabelos???, ... sapatos, semeando dores nos meus pés diabéticos... um olhar saudoso... uma barba grisalha e teimosa, cravada na minha cara... nas narinas, o perfume psicológico das flores daquele tempo...