terça-feira, 17 de fevereiro de 2015

A DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA E IRRIGAÇÃO NA ANTIGA PÉRSIA – OS QANATS

Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara


Especialmente no Irã, região com muitas áreas desérticas e áridas, criou-se, desde tempos imemoráveis, durante o primeiro milênio a. C., o processo conhecido como Qanat. 
Os qanats (ou Kanats) são uma rede de canais subterrâneos ligados a poços de água potável. Uma leve inclinação permite à água escoar-se até os locais de consumo que podem ser populações urbanas ou áreas agrícolas. As fontes são aquíferos situados em planaltos, cujas reservas se escoam lentamente em direção às áreas de consumo. Os ramos menores dos qanats são conhecidos como kariz. Eles distribuem a água aos diversos pontos de consumo. 
O fato de esse sistema ser todo subterrâneo evita a evaporação e a contaminação das águas. Esse sistema, construído há milênios, tem-se mostrado resistente, mesmo aos sucessivos terremotos ocorridos na região, e se mantém funcionando até os dias de hoje. Também não sofre influências das inundações. 
Os qanats mantém a água fresca para o consumo humano e o ar que circula por esses canais serve também para refrigerar as casas. A profissão de muqannis, construtores de qanats, é passada de pai para filho, existindo até hoje. Eles estabelecem o ponto onde se encontra um aquífero, geralmente nas encostas ou nos sopés das montanhas, fazem a perfuração e ligam aos canais que levam aos consumidores. Também constroem canais nos locais necessários.
A maioria dos qanats não têm mais de cinco quilômetros de extensão, mas há alguns muito mais longos. Na província de Kerman, no Irã, há um com mais de setenta quilômetros de extensão e na província de Khorasan, construído em tempos imemoráveis, existe um qanat com 275 km de extensão, servindo a milhares de consumidores urbanos e também a muitíssimos pomares e lavouras. A profundidade dos poços vai de 20 a 200 metros, dependendo da profundidade do aquífero. 
Qanat - Iran
Os persas, desde o ano 500 a. C., usavam relógios de água para medir o fluxo e a justa distribuição entre os consumidores. Era eleito, na comunidade, uma ancião que ficava responsável pela justiça na distribuição de água aos consumidores, que agrícolas, quer urbanos. Hoje, empregam os modernos medidores de água.
Em certas regiões em que é necessário o levantamento do nível das águas, são usados, geralmente, moinhos de vento para essa função. 
Desde 400 a. C., os persas guardam também gelo no deserto. Colhem-no nas montanhas geladas e o armazenam em reservatórios muito bem vedados. Enormes reservas subterrâneas, são mantidas congeladas. Quando o disponibilidade do aquífero diminui, um floxo de água passa pelo depósito de gelo, derretendo a reserva que se junta à água que flui. 
Esse milenar sistema continua atual na Pérsia milenar, atual Irã, garantindo a gentes, animais e plantas o suprimento mais indispensável à vida, do qual nenhum ser vivo pode prescindir.