quarta-feira, 10 de agosto de 2016

DESCOBERTO, NA GRÉCIA, TÚMULO DA ÉPOCA DE ALEXANDRE MAGNO


alexandreGrécia: descoberta tumba dos tempos de Alexandre, o Grande


Posted by Thoth3126 on 10/08/2016

Descoberta de tumba misteriosa e antiga anima gregos em meio à crise econômica


O mistério sobre quem está enterrado em uma enorme tumba dos tempos de Alexandre, o Grande, descoberta no início de agosto na Grécia.
A descoberta da antiga tumba entusiasmou os gregos e trouxe esperanças de melhora no cenário de crise econômica que o país enfrenta. O túmulo, o maior já encontrado no país, fica na região de Anfípolis. 
Edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch
GRÉCIA, a descoberta de uma misteriosa e antiga tumba anima gregos em meio à crise econômica
Giorgos Christides – Da BBC em Anfípolis – Fonte: http://www.bbc.co.uk/

A expectativa de que possa ser de alguém da família de Alexandre, o Grande – ou, para os habitantes do local, até mesmo do próprio Alexandre – possa estar nele enterrado trouxe turistas e já valorizou terrenos nas cidades de Anfípoli e Mesolakkia.

Arqueólogos acreditam que alguém ligado a Alexandre, o Grande está enterrado na tumba

“Podemos ter ganhado na loteria”, diz o prefeito de Mesolakkia.


ANFÍPOLIS
437 AC: Fundada por moradores de Atenas próximo às minas de ouro e prata de Pagaion
357 AC: Conquistada por Felipe 2º da Macedônia, pai de Alexandre, o Grande
Sob Alexandre, serviu como uma base naval de onde saíam barcos para a Ásia
1964: Começa a primeira escavação oficial no local

Os moradores afirmam que já foram procurados com ofertas para vender suas terras na região da descoberta. A maioria precisa do dinheiro, mas está esperando até que os arqueólogos que encontraram a tumba façam o anúncio final sobre a identidade de seu dono.

“Antes da descoberta, a terra não valia quase nada. Mas agora ninguém quer vender”, diz o morador Menia Kyriakou. A descoberta também deu início a uma onda de orgulho e patriotismo.

Esta imagem feminina está preservada, mas o rosto da outra figura foi destruído.

O ministro da cultura, Konstantinos Tasoulas, disse que a descoberta é um lembrete de que a Grécia é o “berço de uma civilização insuperável e um país que merece, com este capital (cultural) único e suas realizações atuais, reivindicar o seu retorno ao progresso e prosperidade”.

A DESCOBERTA

A tumba foi descoberta após dois anos de trabalho comandado pela arqueóloga Katerina Peristeri. O monte onde está localizada fica na antiga Anfípolis, uma grande cidade do reino da Macedônia, a 100 km a leste de Thessaloniki, a segunda maior cidade da Grécia.

A estrutura remonta ao final do século 4 AC e o muro ao redor dele tem 500m de circunferência, superando o local do enterro do pai de Alexandre, Filipe 2º, em Vergina, a oeste de Salônica.

“Essa é uma tumba de dimensões únicas e impressionante maestria artística. Os mais belos segredos estão escondidos logo abaixo de nossos pés”, disse à BBC o ministro da Cultura, Tasoulas.

Desenho mostra duas esfinges na frente e duas cariátides guardando o local atrás

Dentro da tumba, os arqueólogos descobriram duas cariátides (esculturas com figuras femininas que funcionam como pilastras). Cada uma foi esculpida com um braço estendido, provavelmente para desencorajar intrusos a adentrar na câmara principal do túmulo.

Os equivalentes modernos das cariátides ficam em um carro da polícia, a cerca de 200m da entrada do túmulo – o sítio arqueológico é protegido 24 horas por dia por dois policiais.


ALEXANDRE, O GRANDE
Nascido em 356 AC em Pella, filho de Felipe da Macedônia e Olímpias, educado por Aristóteles
Se tornou rei da Macedônia, reino da Grécia antiga, aos 20
Obteve vitórias militares nos territórios persas da Ásia Menor, Síria e Egito – era o “Grande Rei” da Pérsia aos 25 anos
Fundou 70 cidades e expandiu o império para leste até Punjab, na Índia
Morreu de febre em 323 AC na Babilônia

Territórios do império conquistado por Alexandre.

Sua missão é manter longe as dezenas de jornalistas e turistas que chegam ao local por uma estrada de terra sinuosa da aldeia vizinha de Mesolakkia. Mas isso não impediu que a mídia, os arqueólogos e curiosos se envolvessem em um jogo de adivinhação animado.

Os arqueólogos concordam que a magnificência do túmulo significa que ele foi construído para uma pessoa importante – talvez um membro da família imediata de Alexandre; pode ser sua mãe, Olímpia, ou sua esposa, Roxana -ou algum nobre macedônio.

Outros dizem que ele poderia ser um cenotáfio, memorial fúnebre construído para homenagear uma pessoa enterrada em outro local.

Mas só a equipe de escavação pode dar respostas definitivas, e o progresso dos trabalhos tem sido lento desde que os trabalhadores descobriram uma terceira câmara, que está em perigo de desabamento.

Os especialistas não chegaram a um veredito, mas, para as poucas centenas de habitantes da moderna Anfípoli e Mesolakkia, as duas aldeias mais próximas ao local onde foi encontrado o monumento, não há dúvida: enterrado dentro do túmulo de mármore perto de suas casas está o próprio Alexandre, o Grande.

“Só Alexandre merece um monumento tão grandioso”, diz o agricultor Antonis Papadopoulos, de 61 anos.

As cariátides, duas figuras femininas em esculturas que servem de pilares dentro do túmulo encontrado.Essas figuras femininas no monumento medem mais de 2m de altura

Arqueólogos e o Ministério da Cultura grego alertam sobre as especulações, especialmente porque é sabido que Alexandre, o Grande, foi enterrado no Egito.

“Estamos naturalmente ansiosos para descobrir a identidade de residente da tumba, mas isso será revelado no tempo certo pelos escavadores,” disse o ministro.

Permitida a reprodução desde que mantido a formatação original e mencione as fontes.