terça-feira, 9 de agosto de 2016

ESTARÍAMOS ÀS VÉSPERAS DE UMA GUERRA DA EUROPA E USA CONTRA A RÚSSIA?

trevas-eliteglobal


Elite quer a guerra EUA-Europa X Rússia


Posted by Thoth3126 on 09/08/2016


UM CHAMADO DA EUROPA PELA GUERRA CONTRA A RÚSSIA








George Soros, o famoso financista e especulador judeu húngaro-norte americano por trás da rede Open Society Institutes (Institutos Sociedade Aberta), fez um apelo às armas para os povos da Europa: para que eles peguem suas armas, militarizem as suas economias, e joguem fora as correntes da paz – pois é tempo de fazer a guerra contra a Rússia. 
Nascido na Hungria com o nome deSchwartz György (Literalmente NEGROJORGE)- George Soros atualmente é o Presidente da Soros Fund Management, curador da International Crisis Group. e presidente da Open Society Institute, tendo pertencido à Administração do Council on Foreign Relations.
Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch
A Elite quer a guerra EUA-Europa X Rússia

Fonte: http://en.ria.ru/ – (RIA Novosti) – MOSCOU 

A missiva, entregue na próxima edição da New York Review of Books, não deixa dúvidas sobre a extensão de seu belicismo; quando ele declara:

“É chegado o momento de os países membros da União Europeia de acordar e se comportarem como estados indiretamente em guerra.”

A troca de nome talvez tenha sido para minimizar a obviedade dos seus (NEGROS) interesses.

O NEGRO George – Schwartz György – Soros perdeu um processo judicial na França e no Tribunal Europeu de Direitos Humanos por Insider Trading. Nos Estados Unidos também é conhecido por ter doado montantes exorbitantes para eleger o presidente Barack Obama. No mesmo mês, em 2010, o investidor multimilionário doou US$ 1 milhão para a campanha de um referendo que visava legalizar a maconha na Califórnia. Ele financia o International Crisis Group e a Revenue Watch, que financiam campanhas eleitorais em vários países do mundo.

George Soros não é estranho a política ucraniana. Sua International Renaissance Foundation (Fundação Internacional Renascimento) na Ucrânia atua no país desde 1990, e já gastou US$ 49 milhões de dólares em seus primeiros 15 anos de operação. Desde então, um adicional de mais US$ 51 a 71 milhões de dólares foi gasto por Soros na Ucrânia – um dado desconhecido com exatidão na medida que a despesa total foi removida de relatórios anuais em 2012.

O financiamento de Soros também ajudou na execução da primeira Revolução Laranja, em 2004, onde o presidente Yushchenko declarou Stepan Bandera um herói (nacionalista de direita simpatizante e colaborador do nazismo) nacional, reenergizou as forças fascistas e neo-nazistas que abriram o caminho para o golpe final de fevereiro 2014.

O financiamento concedido influenciou as eleições, trazendo o espírito de Maidan para a esfera política, e fabricou um “movimento para a integração da Ucrânia com a Europa”, longe da Rússia O próprio Soros se regozijou com o anfitrião da CNN Fareed Zakaria em 14 de maio de que a sua fundação “tem funcionado desde então [1990] e que jogou uma parte importante nos eventos atuais”.


O Open Society Institute possui escritórios em 27 países asiáticos e europeus, incluindo a Polônia, Letônia, Estônia, e todas as três nações do Cáucaso. Esses grupos todos seguem uma declaração de missão exaltando suas crenças em “direitos humanos fundamentais, na dignidade e do Estado de Direito” e para ajudar “comunidades étnicas a pressionar por mudanças em seu próprio interesse.”

Usando essas crenças para promover a guerra em vez da “justiça e paz no mundo” é uma profunda perversão dos valores fundamentais da humanidade. A alegação de apoio à tomada de decisão a nível local é desnudada pela exigência e a conclamação de que as nações da Europa devem ir a guerra contra a Rússia.

Será que os 27 escritórios dos institutos de Soros agora apoiariam uma sociedade civil dedicada a trazer a paz para as pessoas na Ucrânia e em toda a Europa e Ásia? Ou eles vão seguir o grito de guerra de seu milionário fundador e começar a agitar suas redes para buscar pelo confronto violento?

Além de exigir que a Ucrânia se transforme a partir de um centro industrial para um campo de batalha devastado pela guerra, Soros também acredita que a chave para uma Ucrânia bem sucedida é um futuro pagamento de volta da dívida europeia. Ele imagina um empréstimo do Fundo Monetário Internacional, que iria “transformar a dívida de Eurobonds e divisas da Ucrânia em longo prazo, em títulos menos arriscados.


“Assim como Argentina e Grécia, os empréstimos do FMI e o consequente programa de austeridade vai ajudar a extrair de todos a riqueza da nação ucraniana e entregá-lo diretamente para os bolsos dos financiadores, como a história demonstra trazendo apenas e ruína econômica e pobreza para os povos destas nações.

Aceitar as exigências do FMI, em vez de olhar para Moscou ou talvez os fundos de reconstrução através do banco BRICS é a característica definidora da coligação de governo (controlado pelos EUA-OTAN) ucraniano pós-Maidan, que é facilmente explicado pelo grande apoio financeiro e pelas organizações de Soros, de sua fundação, e os seus parceiros no Ocidente .

Olhar toda a paisagem da Europa Oriental e considerar que a solução para a situação atual é mais guerra é, certamente, uma agenda extremamente perigosa. Para alguém com a voz, alcance e as finanças de George Soros fazer tal declaração leviana, ele mostra um profundo desgosto para as instituições do pós-guerra da Europa e uma falta de respeito pela dignidade da vida humana.


Os perdedores de todas as guerras são aqueles que são forçados a lutar no conflito, suas famílias e os moradores dos campos de batalha onde se lutou. Buscar e incentivar a guerra não é saudável; exigir que outros entrem em guerra é criminoso. Postado em novembro 2014.

Para saber mais:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.