segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

O CÂNTICO DOS CÂNTICOS, DO REI POETA SALOMÃO

A Sulamita, Angie Braun

Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara

O "Cantico dos Cânticos", poema de amor bíblico do Antigo Testamento, também conhecido como "Cantares", é atribuído ao grande rei Salomão, tido tradicionalmente como o mais sábio de todos os homens.
Há os que afirmam tratar-se de um poema pornográfico, que deveria ser banido da Bíblia. Acontece que o conjunto dos textos que compõem o livro que conhecemos por Bíblia tenta apresentar a realidade humano-divina sob todos os seus ângulos. Ora, quem pode negar que a sensualidade é uma das mais fortes manifestações do espírito e do corpo humano? Não se pode confundir sensualidade com pornografia, o que certamente o poema de Salomão não é.
Salomão, filho do santo rei Davi e de uma de suas esposas Betsabá ou Betsabéia, foi o terceiro rei de Israel, depois de Saul e de seu pai. Nasceu no ano 1010 a. C., tendo morrido em 931 a. C., depois de ter governado por 40  anos.
Foi famoso também pela sabedoria de seus julgamentos. Narra-se o fato de duas mulheres parturientes que se abrigavam nos mesmos aposentos. Durante a noite, um dos meninos havia morrido. Elas disputavam entre si o menino vivo. Levadas a Salomão, este sentenciou que se partisse o menino ao meio e se desse metade a cada uma. Uma delas dizia: "Isso mesmo, parte-o". Enquanto a outra, ternamente, disse: "Entrega-o a ela. Prefiro que ele fique vivo, mesmo longe de mim." Salomão mandou que entregassem o menino a esta última. Somente a mãe prefere abrir mão da passe de seu filho em favor da vida dele.
O rei Salomão tornou-se conhecido em toda antiguidade e até hoje por ter construído um dos mais suntuosos templos de toda a antiguidade na cidade de Jerusalém, com a ajuda dos arquitetos fenícios. Além disso, muito se comenta sobre seu famoso harém, onde colecionava em torno de setecentas esposas.
É célebre a história de que teria recebido em seu requintado palácio uma famosa mulher africana que passou para a história como a rainha de Sabá. Afirma-se que seria rainha da Etiópia, conhecida também como a Sulamita, nome que significa a irresistível. 
O poema que recebeu o título em latim de "Canticum Canticorum"ou seja, "Cânticos dos Cânticos". Trata-se de um livro curto, com apenas oito capítulos. Apesar de sua brevidade, apresenta uma estrutura complexa que, por vezes, pode confundir o leitor. Diferentes personagens têm voz, ou falam, nesse poema lírico.
Por ser um poema escrito em uma linguagem considerada sensual, sua validade como texto bíblico já foi questionada ao longo dos tempos. O poema fala do amor entre o noivo e sua noiva. O Cântico possui um estilo idílico em cenas pastorais que parecem estranhas aos leitores ocidentais que vivem em uma sociedade altamente tecnológica. Dessa forma, as analogias e metáforas inspiradas na experiência dos pastores fazem comparações que muitas vezes achamos engraçadas ou até indelicadas, conforme os exemplos que se seguem: “Seus dentes são como um rebanho de ovelhas recém-tosquiadas” (4.2) ou “Seu nariz é como a torre do Líbano” (7.4) ou ainda “Às éguas dos carros de Faraó te comparo, ó meu amor” (1.9). Sem contar sua difícil compreensão. As imagens vívidas, às vezes, até nos chocam e constrangem, como esse versículo: “Dizia eu: Subirei à palmeira, pegarei em seus ramos; e então os teus seios serão como os cachos na vide, e o cheiro da tua respiração como o das maçãs” (7.8).
Ele é único em sua celebração do amor sensual. Dá voz aos dois amantes, elogiando-se reciprocamente, desejando-se um ao outro. Vejam-se alguns versos do poema sensual, o  mais belo cântico de Salomão.

A AMADA:

Sou negra, porém sou formosa,
mulheres de Jerusalém,
Sou morena escura
como as barracas do deserto,
como as cortinas do palácio de Salomão.
Não fiquem me olhando assim
por causa da minha cor,
pois foi o sol que me queimou.
Meus irmãos ficaram zangados comigo
e me fizeram trabalhar
nas plantações de uvas.
Por isso, não tive tempo de cuidar
de mim mesma” (Cântico dos Cânticos 1: 5, 6)
...........................................................
"Beija-me com beijos de tua boca! 
Teus amores são melhores do que o vinho,
O odor dos teus perfumes é suave,
teu nome é como um óleo escorrendo,
e as donzelas, se enamoram de ti ...
Arrasta-me contigo, corramos!
Leva-me, ó rei, aos teus aposentos
e exultemos! Alegremo-nos em ti!
Mais que ao vinho, celebremos teus amores!
Com razão se enamoram de ti..."

RESPOSTA DO REI:

"Roubaste meu coração,
minha irmã, o noiva minha,
roubaste meu coração
com um só dos teus olhares,
uma volta dos colares.
Que belos são teus amores,
minha irmã, noiva minha;
teus amores são melhores do que o vinho,
mais fino que os outros aromas
é o odor dos teus perfumes.
Teus lábios são favo escorrendo,
ó noiva minha,
tens leite e mel sob a língua,
e o perfume de tuas roupas
é como a fragrância do Líbano." (Ct. 4, 9-11)
Diversos artistas, através dos tempos, representaram a Sulamita de Salomão de acordo com suas concepções artísticas. O quadro que aparece neste trabalho foi produzido por Angie Braun, uma pintora alemã da Bavária, nascida em 1961.