terça-feira, 21 de junho de 2016

A batalha da Jutlândia foi a maior batalha naval da 1º Guerra Mundial e a maior batalha naval da História.



A batalha da Jutlândia – Muitos maçons estavam lá

A batalha da Jutlândia foi a maior batalha naval da 1º Guerra Mundial e a maior batalha naval da História.

A batalha da Jutlândia (ou Jutland) foi travada no largo da costa da Dinamarca no Mar do Norte entre a frota inglesa a frota alemã, entre 31 de Maio e 1 de Junho de 1916, a 100 anos atrás. Tratava-se de cerca de 250 navios e 100.000 homens e foi a principal batalha naval da Primeira Guerra Mundial . Esta batalha crítica tiveram baixas de 6.094 britânicos e 2.551 alemães que foram mortos. Dois anos depois, os últimos meses da guerra, estariam entre os mais sangrento com 1,8 milhão de mortos na “Ofensiva dos Cem Dias” de 1918, que pode obscurecer Jutland em nossas mentes e corações.
Refletindo a importância da batalha de Jutland, o maçom e contemporâneo, Primeiro Lorde do Almirantado, irmão Winston Churchill, disse ao comandante da Batalha, Almirante Jellicoe, que ele era “o único homem de cada lado que poderia perder a guerra em uma tarde”. Este foi um fardo pesado para o nosso irmão, pois, como Churchill, o almirante Sir John Jellicoe (1859-1935) também era maçom. Após a guerra, Jellicoe foi Governador Geral da Nova Zelândia (1920-1924) e Grão-Mestre da Grande Loja de Nova Zelândia (1922-1923). Da mesma forma, o Grande Almirante da Alemanha, Alfred Peter Friedrich von Tirpitz (1849-1930), que transformou a pequena Marinha Imperial alemã da década de 1890 em uma força de classe mundial, também era maçom, membro da Lodge Zur Aufrichtigen Herzen, Frankfurt. Portanto, os chefes das marinhas Alemã (Tirpitz) e britânica (Churchill) no momento da batalha de Jutlândia, eram maçons. No mar, era Admirals Jellicoe e o alemão Reinhard Scheer que lideraram suas respectivas forças em Jutlândia.
Se os aliados tivessem perdido a batalha de Jutlândia, a 1º Guerra Mundial teria sido alterada. O bloqueio que os aliados mantiveram, antes e depois da batalha, era estrategicamente crítico. Foi um grande impacto sobre o esforço de guerra alemão restringir movimentos navais e suprimentos domésticos e de guerra da Alemanha. O comando aliado do mar foi parte da razão dos alemães recorrerem a invasão e irrestritas operações submarinas como fariam mais tarde na 2ª Guerra Mundial. A falta de comando do mar foi parte da razão da Alemanha perder as duas guerras mundiais. Jutlândia foi um evento crítico na derrota dos alemães.
Muitos já ouviram falar da Batalha de Trafalgar (1805), quando a marinha britânica sob o comando de Horatio Nelson “atravessou o T” do adversário e combinou as marinhas francesa e espanhola. Isso aconteceu duas vezes em uma única hora na batalha de Jutland, embora os alemães conseguiram escapar com pensamento rápido e boa navegação, auxiliado por má visibilidade. Cruzar o T é realizar um agressivo disparo no costado (casco acima da linha d´água) dos navios, fazendo com que só possam usar suas armas para a frente, se eles tiverem. O Almirante Nelson conseguiu isso com resultados devastadores, mas foi morto por franco-atiradores durante Trafalgar. (Existem várias provas circunstanciais que sugerem que Nelson era maçom, mas isso nunca foi provado). Na Austrália, Jutland é geralmente esquecido, um pouco por causa do vice-almirante Cutherber Collingwood que primeiro liderou o espanhol em Trafalar e assumiu quando Nelson foi morto. Eu mencionei porque o “Collingwood Masonic Centre” compartilha o nome deste herói naval Inglês. Além disso, a Admiral Collingwood Lodge (Nº13) UGLV foi nomeado em sua honra. O futuro rei George VI , participou da ação durante a Batalha da Jutlândia e foi mencionado em despachos, ele seria posteriormente iniciado em Dezembro de 1919 na Navy Lodge, Nº 2612 (UGLE), da qual seu avô, o rei Edward VII, tinha sido o mestre fundador. Ele foi um dos muitos maçons em ambos os lados que tomaram parte na batalha.
Do lado alemão, um dos personagens notáveis que era maçom era o Conde Felix Von Luckner (1881-1966). Ele, Luckner, era um sujeito incrível e seu irmão, eram sujeitos notáveis. Conhecido como The Devil Sea ele era conhecido pelo “hábito de travar com êxito a guerra sem baixas que faz dele um herói e uma lenda em ambos os lados”. Na grande batalha de Jutland, von Luckner comandou uma torre de arma na Kronprinz com habilidade e astúcia. Como um menino de 13 anos, que tinha fugido de casa para o mar, mas encontrou a vida a bordo de um navio composto por latrinas e pocilgas, abandonou esse navio em Freemantle Austrália e depois “percorreu o mundo em uma grande e desconcertante série de postos de trabalho, incluindo vender Grito de Guerra do exército da Salvação, assistente faroleiro, caçador canguru, circo, pugilista profissional, pescador, marinheiro, guarda exército mexicano para o presidente Diaz, construção de ferrovias, taberneiro e barman. Ele até passou um tempo em uma prisão chilena acusado de tentar roubar porcos, ganhou uma competição de luta livre em Hamburgo, duas vezes teve pernas quebradas, foi jogado para fora de um hospital na Jamaica por falta de fundos, mas teve a sorte de ser ajudado por alguns marinheiros alemães. Em uma visita a territórios alemães na África, se viu engajado em uma caça ao elefante”.
A Guerra Mundial estourou no mundo de viagens de 1914. Von Luckner, com a experiência da vida e da natureza aventureira, combinado com o fato de que ele tinha servido na marinha, escolheu um cominho único, “navegar nos livros de história do mundo“.
Conde Von Luckner é mais conhecido como o capitão do Seeadler (Sea Eagle). Um navio de 1.570 toneladas de três mastros de vela, construído em Glasgow 1888 e capturado pelos alemães, enquanto navegava sob a bandeira britânica. Seeadler foi convertido sob a direção de von Luckner, em um cruzador auxiliar, fortemente armado e equipado com dois motores de 500 HP, mas disfarçado cuidadosamente como um navio de madeira norueguesa “Inna”. Durante uma tempestade violenta no Mar do Norte em 23 de dezembro de 1916, Von Luckner conseguiu escapar do bloqueio britânico mantido após a batalha de Jutland. O “Inna” foi então inspecionado, tendo passado e navegado para norte ao redor da Escócia para o Atlântico.
Ao longo dos 88 dias seguintes de seu navio, com o disfarce removido, capturou onze navios aliados no Atlântico, e afundou dez sem uma única perda de vidas … Mesmo os gatos dos navios estavam a salvo, e ao mesmo tempo, havia 144 a bordo de seu navio! Em tempo, mais de 400 pessoas, homens e mulheres, ficaram seguros… até serem transferidos para terra nos portos da América do Sul. “Eu tive a coragem de afundar navios”, disse ele, “mas eu não tive a coragem de privar uma mãe de uma criança. Eu lutei contra a guerra sem matar ninguém. . .Eu sempre pensei em minha mãe, e imaginei as lágrimas e tristeza que eu faria se eu matasse o filho de alguma outra mãe”. Afirma-se que ele uma vez adiou afundar um navio à vela, até os dentes falsos do capitão tinha sido salvo!
Em abril de 1917, ele contornou o Cabo Horn e entrou na Pacifico afundando mais três navios antes de sua boa sorte acabar em 2 de agosto, quando o Seeadler foi lançado à praia por uma onda na remota Ilha Mopelia no Tahiti. Alguns prisioneiros americanos alegaram que o navio encalhou enquanto os prisioneiros e a maioria da tripulação estavam fazendo um piquenique na ilha. Von Luckner dizia que o trabalho de domingo conduzido por ele mesmo era para “adorar o Grande Criador das Ondas“. Ao lado da Bíblia descansava a bandeira alemã mais as dos prisioneiros. “Eu queria que nossos prisioneiros sentissem que o serviço era tanto deles como o nosso, e que nós não sentimos-nos um povo mais importante do que quaisquer outras pessoas”, o que soa bastante maçônico! De Mopelia navegou 3.700 km em um barco aberto, em uma ocasião, alegando ser marinheiros holandeses-americano que cruzavam o Pacífico para uma aposta e foi autorizado a prosseguir. Mais tarde, ele foi capturado, mas escapou em dezembro de 1917, mas foi novamente capturado, passando o resto da guerra na Nova Zelândia POW Camps (POW=Prisioner of War). Ele foi repatriado para a Alemanha em 1919 como um herói.

Em 1926, ele navegou em seu iate Vaterland em uma missão de boa vontade ao redor do mundo, incluindo os EUA. Mais tarde, em 1937 e 38 em seu iate Seeteufel ele retornou à Austrália e Nova Zelândia. Embora muito velho para o serviço ativo na Segunda Guerra Mundial, Hitler tentou usá-lo para fins de propaganda, mas exigiu que ele renunciasse à Maçonaria. O herói que havia sido iniciado na Zur Goldenen Kugel Lodge Nº66, Hamburgo, em 26 de Maio de 1921, recusou. Em 1943, em Berlim, ele salvou a vida de uma menina judia, dando-lhe abrigo e um passaporte pego em um bomb site (edifício destruído por bomba). Ela conseguiu chegar a um país neutro e depois aos Estados Unidos. Depois da guerra, quando ele novamente visitou os EUA, apelando para a expulsão dos ódios engendrados pela guerra, ela abriu as portas fechadas anteriormente por sua influência. “Foi-me dada a oportunidade de alcançar os corações dos homens e mulheres que já haviam me rejeitado na sua própria tristeza e se recusaram a ouvir o que eu tinha a dizer. Eles haviam se recusado a dar-me uma audiência, porque eu era um alemão e vinha deste país cujo governo havia trazido tanta tristeza terrível”.
Hitler tornou a vida difícil para Von Luckner, e sua conta bancária foi congelada. Ele vivia na cidade alemã remota de Halle, e foi convidado pelo prefeito, em abril de 1945, para entrar em contato com as tropas americanas que se aproximavam e tentar conseguir termos e condições. O general alemão no comando, negou qualquer responsabilidade, mas permitiu-lhe tentar. O oficial de controle de Berlim comentou com desdém: “Há um outro Maçom internacional”. Ele conseguiu encontrar e negociar com os norte-americanos, entre os quais estavam os amigos maçônicos dele, e eles concordaram em não bombardear a cidade. Ao ouvir que Hitler o havia condenado à morte, ele passou a se esconder. Ele morreu em 1966. Estes são, mas apenas algumas das façanhas do nosso irmão.


Durante a batalha de Jutlândia, quatorze navios alemães e onze britânicos foram afundados. Vários foram destruídos em explosões catastróficas. Não houve sobreviventes do HMS Black Prince (857 homens), nem HMS Defense (903 homens). Apenas dois do HMS Indefatigable sobreviveram (1.019 homens), o HMS Invincible afundou com 1.026 homens e apenas seis sobreviveram. Dezoito sobreviveram quando o HMS Queen Mary explodiu com 1.266 tripulantes perdidos. O Kaiserliche Marine (marinha imperial alemã) não sofreu com muitas baixas, mas o SMS Pommern foi rasgado ao meio pela explosão de um paiol e 839 homens pereceram, SMS Wiesbaden teve apenas um sobrevivente do 589 tripulantes.
Através do Great War Project (banco de dados das guerras), sabemos que 67 irmãos britânicos foi confirmado que perderam suas vidas em Jutlândia. Sem dúvida, houveram alguns irmãos mortos no lado alemão, bem como mais irmãos não identificados entre os britânicos.
Algumas lojas teria sentido o impacto da batalha intensamente, por exemplo, três irmãos da loja UNITED SERVICE Nº 1428 morreram no HMS Invincible e outro irmão da mesma loja foi morto no HMS Defense. No total a UNITED SERVICE Lodge perdeu 16 membros na batalha. Dezesseis!
HMS Defense foi o carro-chefe do contra-almirante Sir Robert Arbuthnot, comandando o Primeiro Esquadrão Cruzador. HMS Defense estava envolvido no ataque ao cruzador alemão SMS Wiesbaden, que tinha sido avariado por uma bomba do HMS Invincible (que tinha muitos maçons a bordo que morreram na batalha). Perto de “morrer”, o Defense atraiu o poder de fogo combinado dos cruzadores alemães, cuja proximidade estava escondida pela fumaça e neblina. Após a lesão inicial, ele foi atingido por uma salva que explodiu seu paiol, dentro de segundos, outra salva imediatamente foi enviada, e ela culminou em uma explosão espetacular. Nem um único membro de sua equipe de 903 sobreviveram e 12 maçons conhecidos estavam entre eles, os irmãos Alton, Boggia, Dyer, Howes, Mclean, Moss, Reynolds, Roberts, Sandham, Shapter, Taylor, Wharmby.
HMS Invincible partiu em dois e afundou com a perda de todos de sua tripulação de 1.021. Almirante Hood estava entre os mortos. 16 maçons estavam entre aqueles que foram perdidos no Invincible, 6 eram da United Service Lodge Nº 1428. Foram mortos os irmãos Best, Bowditch, Clapson, Dunnaway, Embling, Harris, Harvey, Hunt, Johnson, Jones, Luker, Main, Melvin, Mortimer, Potter & Seelleur.
O plano da Alemanha sob o comando das forças do Almirante Scheer em Jutlândia era derrotar a superioridade numérica dos britânicos comandados por Jellicoe atraindo apenas uma parte da frota, mas eles foram recebidos com vigor, principalmente devido aos seus códigos terem sido quebrados. Muitos dizem que estrategicamente, Jutlândia provou ser tão decisiva quanto a Batalha de Trafalgar .
A frota alemã de alto mar tinha sido levada para casa e iria sair novamente apenas mais três vezes em menores varreduras. Em seu relatório pós-ação ao Kaiser, o Almirante Scheer aconselhou evitar encontros superficiais futuros com a Grande Frota Britânica por causa de sua “grande superioridade de material” e vantajosa “posição militar-geográfica”, e em vez disso “usar os submarinos contra os britânicos”.
Ambos os lados alegaram vitória em Jutlândia. Talvez o ditado “ganhou a batalha, mas perdeu a guerra” poderia ser aplicado aqui, apesar das controvérsias sobre Jellicoe não levar para casa uma vitória decisiva, porque ele sabia que sua superioridade atual iria prevalecer se não fosse comprometida por uma derrota, mas a verdade é que as perdas britânicas ascenderam a 6.784 homens e 111.000 toneladas, e as perdas alemãs para 3.058 homens e 62.000 toneladas. Apesar disso, a Grã-Bretanha manteve o controle do Mar do Norte e uma vantagem numérica, forçando o alemão a manter uma “frota no porto” apresentando uma ameaça estratégica aos Aliados forçando-os a implementar continuamente forças para se proteger contra eles. A “frota no porto” pode ser parte de uma doutrina de contradição com o mar, mas não de controle do mar e não há dúvida de que os britânicos tinham o controle do mar.
Embora o público britânico estivesse desapontado com Jutlândia, pois para eles não trouxe uma vitória decisiva, Winston Churchill perceptivelmente observou que Jellicoe foi o único homem que poderia ter perdido a guerra em uma tarde. O julgamento de Jellicoe poderia ter sido que mesmo em excelentes probabilidades a seu favor não eram bons o suficiente para apostar o Império Britânico. As antigas críticas de Jellicoe também não suficientemente creditam a Scheer, que estava determinado a preservar a sua frota, evitando a linha de batalha britânica por completo, e que demonstraram grande habilidade para efetuar sua fuga. Apesar disso, vinte e cinco navios ainda estavam perdidos na Batalha.
As duas fases da Jutlândia e os detalhes deste combate naval, é uma leitura interessante. A primeira começou às 16:48h em 31 de maio de 1916, quando as forças de aferição dos vice-almirantes David Beatty e Franz Hipper iniciaram um duelo de artilharia rodando quinze mil jardas, quando o navio de Hipper tomou uma batida grave, mas sobreviveu devido ao design superior. Beatty perdeu três cruzadores de batalha devido à falta de proteção antiflash nas torres de arma, o que permitiu incêndios iniciados por bombas enviadas para alcançar os paióis. Beatty após este encontro inicial virou para o norte e atraiu os alemães para a grande frota. A segunda fase da batalha começou às 19:15h, quando o almirante John Jellicoe trouxe seus navios em uma única linha de batalha através da execução de uma roda de 90 graus a bombordo. Ganhando a vantagem da luz fraca, ele separou os alemães fora de sua base e duas vezes atravessou “T”. Os navios do Almirante Reinhard Scheer da frota de alto mar levaram setenta tiros diretos, enquanto marcaram somente vinte contra Jellicoe. A frota de Scheer escapou por pouco da aniquilação através da execução de três brilhantes giros de 180 graus. No início da tarde de 1 de Junho, a maior parte da frota alemã alcançou a segurança dos seus portos com carro-chefe de Scheer, SMS Friedrich der Grosse, chegando em Wilhelmshaven às 3h.
Quatro condecorações militares Victoria Cross foram concedidas em Jutlândia, três postumamente.

Capitão Loftus Jones VC (1979-1916) morreu em Jutlândia comandando HMS Shark. Ele foi premiado com a medalha “por seu heroísmo em continuar a lutar contra todas as probabilidades” e continuar a dar ordens depois de ser atingido por uma bomba que lhe tirou a perna acima do joelho.
Major Francis John William Harvey VC (1873-1916), um fuzileiro naval, estava a bordo do HMS Lion e embora ferido de morte e quase o único sobrevivente após a explosão de uma bomba inimiga na casa de armas “Q”, com grande presença de espírito e devoção e dever, ordenando o paiol a ser inundado, poupando assim o navio. Ele morreu pouco tempo depois. “Suas ações salvaram o navio de explodir e perder 1.092 vidas”
Contra-Almirante (então comandante) Edward Barry Stewart Bingham VC, OBE (1881-1939) comandando o destroyer HMS Nestor recuando 2.750 metros da frota de batalha adversária alemã em Jutlândia para que ele pudesse trazer seus torpedos para combate. O Nestor foi afundado e Bingham foi feito prisioneiro.
John Travers Cornwell VC (08 de janeiro de 1900 – 02 de junho de 1916), mais conhecido como Jack Cornwell ou como Boy Cornwell, é lembrado por sua bravura na batalha de Jutlândia. Tendo morrido com a idade de apenas 16 anos, Cornwell é o terceiro mais jovem beneficiário do VC após Andrew Fitzgibbon e Thomas Flinn.
Após a ação, médicos do navio chegaram no convés para encontrar Cornwell, o único sobrevivente de seu navio, fragmentos de aço penetrando o peito, olhando e ainda à espera de ordens. Ele morreu na manhã de 02 de junho de 1916 antes da sua mãe conseguir chegar ao hospital.

A recomendação para citação do almirante David Beatty, lê-se:
“O exemplo de devoção ao dever por Boy (1ª Classe) John Travers Cornwell, que foi mortalmente ferido no início da ação, mas, no entanto, permaneceu de pé sozinho em um posto mais exposto, as ordens, em silêncio, à espera até o fim da ação, com a tripulação morta ou ferida em torno dele. Ele estava com 16 ½ anos de idade. Lamento que ele já morreu, mas eu recomendo o seu caso para o reconhecimento especial na justiça à sua memória e como um reconhecimento do elevado exemplo dado por ele “.

O FILME RUSSO ESTÁ NO SITE ABAIXO:

http://www.oprumodehiram.com.br/a-batalha-da-jutlandia-muitos-macons-estavam-la/