sexta-feira, 24 de junho de 2016

ESTAMOS SOB COMPLETO CONTROLE: NOSSO PIOR INIMIGO MANIPULA NOSSA PRÓPRIA MENTE


Manuel Frey
Todos os dias, durante 24 horas, há um exército invisível que atinge nosso cérebro e não utiliza tanques, aviões e mísseis, mas informações dirigidas e manipuladas por imagens e manchetes. Não podemos sequer suspeitar, mas estamos envolvidos em uma guerra, invisível, sangrenta, devastadora, em silêncio, a cada dia, que nos faz vítimas e autores de um sistema em que os dominadores já não precisam dominar-nos fisicamente.
Assistindo-nos com moderníssimos instrumentos, nosso comportamento está sendo checado, monitorado e controlado por especialistas. Somos bombardeados diariamente, não para nos matar.
Embora não percebamos, cada um é novo soldado, e por sua vez as brancas operações táticas psicológicas criadas para vender produtos, implantam em nossas mentes a ideologia de massas consumista-individual planetariamente em nível de estratégia de mercado, numa ação imperceptível de grandes grupos capitalistas de multinacionais.
Há uma supervisão que gerencia por controle remoto nossas emoções, e vende produtos de pensamento positivo e de adrenalina e entretenimento pela tela da TV. O indivíduo sente-se livre, embora, estrategicamente lhe seja roubada a própria liberdade.
Somos um alvo em movimento. Querem exterminar nosso cérebro, querem castrar nossa capacidade reflexiva, querem matar o nosso pensamento crítico, querem, aparentemente, proteger a nossa liberdade de escolha, para nos tornar mutantes consumidores.
Estamos em guerra, mas as batalhas não acontecem em lugares distantes no espaço. Elas se dão em nossas próprias cabeças. O objetivo não é matar-nos, mas controlar nosso cérebro para tornar-nos zumbis da sociedade de consumo. Balas não mais apontam para o nosso corpo, mas dirigem-se para nossas contradições e vulnerabilidades psicológicas.
Títulos, imagens elaboradas, manipulação de informações, são os mísseis de última geração que as grandes cadeias de mídia e publicidade atiram com precisão devastadora sobre o cérebro que se torna o palco da sociedade de consumo.
Buscamos proteção, procuramos informações. Porém, eles controlam tudo, gerenciam satélites, a informática, manipulam imagens, lidando com o poder, para impor a sua visão de mundo como se fosse o todo, vender a sua realidade como se fosse a nossa, levando-nos à conclusão absoluta de que o mundo é apenas este, tudo se resume ao consumo. Impõem-nos essa falsa concepção. Sua arma é a tecnologia.
Somos rastreados e espionados diariamente.  Buscam atender nossas faixas de expectativas, explorar as nossas emoções, os nossos medos, procuram nossas fraquezas, querem implantar seu mundo como se fosse o nosso, tornar-nos cobaias domesticadas da sociedade de consumo.
Spy, a grande espiã, entra em nossas mentes, já está em nós. Acompanha-nos, faz parte dos guardiões do ciberespaço, tem o poder de fazer fotografias de um satélite a dois mil quilômetros de distância e obter imagens precisas como se fossem obtidas a um metro de aproximação. 
Nosso planeta é uma grande prisão controlada por computador, a nossa vida não tem mais segredos. Sabem como cada um de nós pensa, que estratégias empregar para tornar-nos cidadãos politicamente corretos, pacifistas e tolerantes, consumindo apenas, e que reproduzem e ratificam a verdade oficial.
Sem ter consciência, quando consumimos, por coação psicológica individual, tornamo-nos massa, cada um se torna um “soldado cooperador”, segundo os planos de domínio e controle social estabelecidos pelo capitalismo transnacional, que inventou uma “civilização” cujo objetivo é apenas consumir produtos, o que produz no indivíduo um grande prazer e um efeito psicológico de realização pessoal.
Inconscientemente, somos o alvo de operações psicológicas extremas que visam a tornar-nos indivíduos alienados, cujo cérebro não foi projetado para pensar, mas para consumir.
No sistema capitalista, tudo é comprado e vendido, incluindo o cérebro, que tem um valor de mercado nas estatísticas de controle da mente.
Estamos no meio de uma guerra em que somos o alvo principal. As operações já não visam mais a uma colonização militar para controlar um território, mas a uma da colonização mental para controlar suas emoções e direcionar seu comportamento, especialmente para o consumo.
Os objetivos não são militares: Na guerra em que estamos envolvidos, não há luta por território, mas pelos mercados. Nosso cérebro é a matéria-prima. E quem toma conta dos cérebros, assume os mercados. O mundo não é mais dividido por fronteiras territoriais, mas por fronteiras comerciais.
Comprar, comprar, é o objetivo final. Somos controlados a consumir. Enquanto o sistema nos engorda, engorda-se a si mesmo pelo nosso consumo, mesmo que seja de produtos para emagrecimento.
Caso não compremos, se não votarmos regularmente, não construiremos a nossa legítima sociedade de consumo. Haverá colapsos em nosso império: o colapso dos bancos explodirá suas corporações. Precisaremos fugir de tanques de gás, aviões e submarinos. Nossa metrópole estará paralisada, o consumidor que não compra fará o colapso das sociedades. A nossa civilização entrará em decadência pela decadência das compras e vendas.
Consumir, consumir, nosso cérebro não está programado para pensar, mas para consumir.
Os Madhouse proprietários capitalistas assistindo-nos,  doutrinaram-nos, sem que percebêssemos, definiram suas metas como se fossem nossas metas, sua sobrevivência depende de nossa doutrinação eficiente pelas suas  lavagens cerebrais. Compramos segurança e adrenalina como nosso alimento diário.
Estamos controlados: comprar, comprar e vender suas compras, de produtos para manter seu ponto de vista macrocósmico do mundo. Assim, olhamos e assumimos esse olhar se fosse o nosso.
Somos alvo em movimento da sociedade de consumo, a overdose de cérebros de informação e entretenimento que visa à redução da gordura e da rentabilidade das empresas que diariamente fazem de nós nicho de oferta e demanda em algum segmento de mercado.
A equação é extremamente simples: você compra e vende. Eles precisam implantar seu programa em nossas mentes, precisam redesenhar nossas psicologias, nossas crenças, nossas emoções, de tal forma que nos tornemos zumbis saturados de tecnologia digital.
Não devemos pensar, apenas consumir, consumir programas, música, moda, presidentes, sabonetes, mídia, ídolos, que nos doutrinam. Assim, garantem um pacote em que nós não mais pensamos, nossa liberdade foi usurpada e ficamos sob total controle. Finalmente, virá um microchip.
A conspiração máxima histórica tornou-se realidade: o dominador desapareceu de cena, você pode fazer o que quiser, sua prisão é a sua própria liberdade. Sem termos consciência, estamos presos na guerra de quarta geração. Bem-vindo ao mundo de Orwell.
Manuel Frey, autor deste texto, é jornalista, investigador, analista de estruturas de poder, especialista em comunicação e inteligência estratégica. Ele é um dos autores mais populares e referenciados na web.