quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

O CACHORRO, A CARNE E O RIO

Adaptação de uma fábula de Esopo

Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara


Um cachorro guloso havia roubado um belo naco de carne de um velho descuidado. Preocupado com os concorrentes, decidiu devorá-lo solitário na outra margem do rio.
Jogou-se às águas e nadava vigorosamente quando enxergou o próprio reflexo no espelho da face líquida. Julgando tratar-se de outro cão que também carregasse cane nos dentes. Atirou-se na direção do adversário para aumentar a própria conquista.
No entanto, no momento em que abriu a boca para atacar o outro, a força da correnteza arrebatou-lhe o alimento. Assim, não conseguiu roubar a parte do concorrente; pior, nem sequer teve o êxito de manter o que já havia garantido.
Quantos cães cobiçosos não andam a perder seus nacos de carne por aí?