domingo, 23 de agosto de 2015

IVÃ, O TERRÍVEL – O MAIS CRUEL IMPERADOR RUSSO

Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara
Aconteceu no século XVI, entre os anos de 1547 e 1584, o longo reinado de quase 40 anos, do mais cruel imperador que a Rússia conheceu. Trata-se de Ivã IV, em russo, no alfabeto cirílico, Иван IV Васильевич Грозный.
Ivã reinou em tempos muito difíceis. Houve secas e muita fome, causando revoltas da população. Também houve invasões ao território russo como a invasão dos lituanos e dos tártaros. A própria alcunha de terrível significava, em seu tempo, o que causa medo, o que inspira terror.
Porém, de fato foi um homem muito cruel. No Saque a Novgorod, suas tropas queimaram e saquearam a cidade e aldeias circundantes, de tal modo que a cidade nunca mais recuperou a antiga importância. Uma crônica escrita por Pskov estima um número de vítimas superior a 60 mil, embora haja quem afirme que esse número seja exagerado. Ele e o filho Ivã Ivanovich participavam pessoalmente dos massacres. Porém, à noite, recolhiam-se em igrejas para orar.
Por outro lado, foi excelente diplomata. Incrementou a produção interna da Rússia. Recrutou artesãos na Alemanha para que trabalhassem na Rússia. Porém, houve intervenção dos povos vizinhos, dificultando o ingresso desses artesãos no território russo, isolando  a Rússia no comércio marítimo do Báltico.
Porém, embora tivesse contribuído para a expansão do território russo e a melhoria de condições internas da população, permaneceu sua fama de crueldade. Difundiram-se muitas narrativas a respeito de seu comportamento.
Há uma tradição segundo a qual o cruel imperador tinha o hábito de condenar cidadãos e enforcá-los na residência do condenado, deixando o cadáver pendurado na sala em que fazia uma refeição com a família, exortando a esposa e os filhos a não seguirem o exemplo do morto.
Porém, o maior exemplo de sua crueldade foi o assassinato do próprio filho primogênito, o herdeiro do trono Ivã Ivanovich. 
Conta-se que as relações entre pai e filho estavam abaladas. Os dois competiam em crueldade. A nora do rei, esposa de Ivanovich, estava grávida e passeava pelos corredores do palácio em vestes de quarto. O sogro a repreendeu e agrediu com tanta violência que ela abortou. O marido saiu em defesa da esposa e entrou em luta corporal o próprio pai que o agrediu até a morte.

Ivã teve seis esposas. A primeira, Anastácia Romanova Zakharina, suicidou-se por envenenamento. As quatro seguintes faleceram de morte natural. A última, Maria Nagaya, sobrevivei ao marido. Ivã tinha acessos de loucura e fúria, embora não sejam raros exemplos de bondade e condescendência para com pessoas pobres e desamparadas.