sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

A COMPRA DO CHARLIE HEBDO PELO GRUPO ROTHSCHILD - CHARLIE HEBDO – DAS PÁGINAS DA CONSPIRAÇÃO

Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara
Depois de um ano, muitas nuvens ainda envolvem o caso Charlie Hebdo. A razão do ataque teria sido mesmo o ódio extremo gerado pelas caricaturas do jornal, que haviam publicado sátiras sobre líderes islâmicos, inclusive sobre o próprio profeta Maomé?
Enfim, as pesquisas, até hoje, apontam para antecedentes como a sangrenta luta separatista da Argélia, do domínio francês nos meados do século XX, até mesmo de certo modo confirmado pela origem argelina dos irmãos autores do ataque Said e Chérif Kouachi. Mais genericamente menciona-se a condição de exclusão em que vive grande parte da população de origem árabe nos países da Europa.
Pois divulga-se agora a informação bombástica de que o Charlie Hebdo havia sido adquirido por um poderoso grupo financeiro, pouquíssimo tempo antes do atentado. Em artigo intitulado: “Os Rothschild também são Charlie!”, o jornalista José Mena Abrantes afirma:Vêm agora a revista econômica holandesa ‘Quote’ e o jornal alemão ‘NeoPresse’ confirmar-nos que a família Rothschild ainda não perdeu esse dom profético, pois tinha acabado de comprar o jornal Charlie Hebdo no passado mês de Dezembro. Os ganhos imediatos da operação estão à vista. De uma modesta tiragem de algumas dezenas de milhares de exemplares, a edição do jornal posterior ao atentado atingiu a cifra de sete milhões, publicada em vinte países com versões em cinco línguas, incluindo o árabe e o turco.”
Que relação poderia ter o magnata dos Rothschild, o poderoso Jacob Rothschild, com os atentados contra o jornal de Paris, ao adquirir o periódico? Pode ser que nenhuma, porém que o fato dá margem para discussões, isso dá.