sexta-feira, 26 de maio de 2017

EDUCAÇÃO NOS ESTADO UNIDOS - TAMBÉM LÁ AS COISAS VÃO MAL

O grande problema na educação mundial é o seguinte: o que se entende por educação. Alguns entendem que educar é treinar profissionais competentes para o trabalho e o desenvolvimento tecnológico. Outros entendem que a educação é algo maior, que visa a formar, além do profissional, o ser humano total que busca um sentido, uma razão para a própria existência. (Oscar Brisolara)
Treze razões do Por Que? (Thirteen Reasons Why)
Posted by Thoth3126 on 2 5/05/2017

O recente anúncio da Netflix de que estaria produzindo uma segunda temporada de Thirteen Reasons Why, levantou novas questões sobre o desastroso estado do “sistema de (imbecilização) ensino público” dos EUA e seus efeitos sobre a economia e a sociedade em geral. Os graduados do ensino médio de hoje surgem com poucas habilidades, pouca educação e uma visão equivocada do mundo. Em suma, eles estão totalmente despreparados para assumir os desafios que o sistema apresenta.
Tradução, ediçãoe imagens: Thoth3126@protonmail.ch
Treze razões do Por Que (Thirteen Reasons Why): As escolas americanas estão criando (mais uma) geração perdida
Escrito por Peter Diekmeyer – Fonte: https://www.sprottmoney.com/

“Ei, é Hannah Baker”, diz a protagonista da série, interpretada por uma impressionante Katherine Langford no episódio de abertura. – “Ajeite-se. Porque vou contar a história da minha vida. Mais especificamente, do por que minha vida terminou”.


O retrato das Thirteen Reasons Why de como um sistema sufocante e burocrático corta progressivamente essa adolescente em pedaços, eventualmente levando-a à morte, fornece uma reflexão dramatizada e perspicaz sobre (outra) geração emergente de indivíduos perdidos dentro do sistema.
As estatísticas são sombrias: um terço dos jovens com idade entre 18 a 34 anos nos EUA vivem em casa de acordo com o US Census Bureau. A Homeserve USA acha que quase um em cada três americanos não pode chegar conseguir ganhar meros US$ 500 para financiar uma emergência. Como se isso não bastasse, de acordo com o US Congressional Budget Office, os sucessivos governos dos EUA têm carregado os jovens de hoje com mais de US$ 100 trilhões de pensão e dívidas de saúde.



A verdade mais difícil descrita em Thirteen Reasons Why é que os graduados do ensino médio de hoje emerge com poucas habilidades, pouca educação e uma visão equivocada do mundo. Em suma, eles estão totalmente despreparados para assumir os desafios que irão enfrentar.


A seguir estão treze razões pelas quais assim é:
Treze anos de prisão

Em Treze Razões , Hannah, a intimidada protagonista não tem como escapar de um ambiente tóxico. Sua posição desamparada piora progressivamente e eventualmente a leva ao suicídio.


Porque a educação é obrigatória nos Estados Unidos, Hannah vive em uma prisão de fato. Ela não pode mudar de escolas ou classes sem a aprovação dos pais e passando por um processo burocrático humilhante. Um sistema educacional que priorizasse a aprendizagem colocaria os alunos no centro, deixando-os livres para escolher suas escolas, classes, professores e programas.
Crianças americanas não podem votar

Os desafios que enfrentam as crianças americanas são exacerbados pelo fato de que eles não estão autorizados a votar. Eles têm, portanto, pouca participação no sistema, nenhum senso de responsabilidade e adotam uma postura de fato de desamparo.
Os alunos vêm por último
Nenhum dos doze estudos analisados para este artigo avaliou o sistema de educação pública dos EUA com base nas necessidades dos alunos.

Os governos priorizam a educação pública com base em seus efeitos sobre a competitividade nacional. As empresas se concentram em obter trabalhadores (zumbis) qualificados (cuja formação eles não querem pagar). Os sindicatos de professores concentram-se nos salários e nas suas condições de trabalho. O resultado é nefasto pois que os interesses dos alunos vêm em último lugar.
Administrações inchadas
A América gasta mais por aluno do que em qualquer outro país, mas ocupa o 14º lugar em termos de resultados, atrás da Rússia. Muito disso é devido a legiões de administradores regiamente pagos que obstruem o sistema com regras, regulamentos e formulários, poucos dos quais priorizam de fato o ensino e a educação.
As crianças são ensinadas a adorar o governo e o país; e a evitar a responsabilidade individual
Os jovens sempre se preocuparam com causas sociais. Portanto, não é surpreendente que os professores encorajem os alunos a priorizar o papel do governo na saúde, bem-estar e regulação ambiental. No entanto, as escolas públicas de hoje não oferecem essencialmente argumentos pela responsabilidade individual.



Os graduados da High School assim emergem como rapina fácil para os políticos (controlados pelo sistema… em qualquer país) que reivindicam que os gastos e o empréstimo quase-ilimitados do governo são a cura para os problemas da nação. ( Veja o con Krugman ).
As escolas públicas não ensinam habilidades mercadológicas

O maior indiciamento do desempenho real do sistema de escola pública está relacionado ao fato de que os alunos se formam sem habilidades comercializáveis dentro do próprio sistema.

Se as crianças dos Estados Unidos surgissem de escolas como adultos formados e desenvolvidos com capacidade de leitura, assimilação e compreensão de conteúdo, de escrever, resolver matemática básica, digitar, trabalhar em equipe e usar meia dúzia de pacotes de software comuns, eles teriam algo para mostrar do por que gastaram seus 13 anos no sistema de produção de incapazes, que é a escola pública dos EUA.

Proibindo Ayn Rand e Huckleberry Finn

O lema de Sócrates na Ágora era “questione tudo”. No entanto, as escolas públicas priorizam uma doutrina politicamente correta que exclui conscientemente idéias e conceitos-chave que leva ao indivíduo a desenvolver uma mente reflexiva.


Ayn Rand, filósofa mais importante do século XX, é essencialmente banida do sistema público, como é Huckleberry Finn de Mark Twain , que Hemingway citou como a raiz básica da literatura americana. O ensino de história na América, como observou Niall Ferguson, é desinfetado até o ponto de torná-lo quase contraproducente e inútil.
Currículos dirigidos pelo estado: de tamanho único

Os alunos variam como fazem as comunidades em que vivem. No entanto, uma quantidade desproporcional de ensino é ditada por burocratas. Isso deixa aos professores pouca flexibilidade para ajustar com base nas necessidades dos alunos e o meio cultural em que estão inseridos.

Estes diferem com base na escola localizada em bairros mais pobres onde muitos estudantes vêm de casas unifamiliares, ou em comunidades de classe média alta onde as estruturas familiares tradicionais são mais comuns.
Crianças são “formadas” sem nenhuma noção sobre finanças

As escolas públicas ensinam essencialmente nada sobre como administrar dinheiro, provavelmente a habilidade de vida mais importante que uma criança poderia ter quando adulto. Os alunos formam-se, portanto, pensando que o empréstimo (e viver endividado) é bom.

Isso as deixa presas dos maiores credores predatórios dos Estados Unidos: aos empréstimos escolares das grandes universidades, que conseguem formar jovens jovens já com dívidas de US $ 1,2 trilhão para ser paga ao sistema, muitos dos quais têm muito pouco a mostrar .
Adoração dos bajuladores: expulsa os talentosos, criativos e curiosos

Uma das maiores fraquezas nas escolas públicas e privadas é o culto coletivo de “bajuladores” – aquela coleção universal dos tipos obsequiosos que entopem as listas de Decanos e outros prêmios “Top Students”. Isso não seria um problema se as escolas fossem capazes de identificar corretamente os melhores desempenhos. No entanto, os pesados currículos definidos pelo estado forçam os professores a “ensinarem para passar na prova”.


Isso leva ao avanço de estudantes semelhantes a drones, robóticos que são capazes de recitar dados estúpidos, conceitos e fórmulas de passagem, e mais perigosamente: com a necessidade de adivinhar e venerar o que os professores querem que eles digam.

Pior ainda, em dois séculos de escolaridade pública, os professores ainda se apaixonam por essa velha armadilha de dar as melhores notas a alunos com boa escrita ou a estudantes de matemática que recitam a resposta certa mecanicamente, mas que conseguem “mostrar seu trabalho”. Ao aluno pensador e reflexivo, que indaga (incomoda, porque quer pensar fora da CAIXA) é dado uma nota B. O resultado é que os alunos com unidade, curiosidade e criatividade são rapidamente incentivados a ser idiotizados.


Os alunos número um (os obedientes ao sistema) – como John Maynard Keynes, o “pai da economia moderna”, que ensinou que a melhor maneira de se ficar rico era gastar mais do que você ganha – que se expandiu através do sistema, política que agora governa os bancos centrais do país e os departamentos de economia das universidades. Aqui voce tem uma visão do “quadro geral”
Sindicatos poderosos

Num mundo em que os estudantes estão presos de fato (porque a pior prisão não tem grades, é a prisão MENTAL), os professores, que passam mais tempo com eles do que com os seus próprios pais, deveriam ser os seus maiores apoiadores. Mas eles não são. Portanto, os professores precisam aceitar a parte do leão da culpa pelo estado desastroso do ensino nas escolas norte americanas.

Essa culpa começa com o fato de que a prioridade dos professores tem sido a de se unir a sindicatos poderosos, que colocam salários, benefícios e tempo de férias em primeiro lugar e os interesses dos alunos em último.
Professores milionários

É verdade que os professores desempenham uma das funções mais úteis da sociedade. No entanto, durante um período de tensas finanças públicas as necessidades dos alunos deveriam vir em primeiro lugar – não os salários dos professores. Os sindicatos de professores têm sido extremamente bem sucedidos. O salário médio para trabalhadores dos EUA é US$ 28.900. Os professores ganham US$ 58.000, o dobro desse valor .


O fosso entre os professores e as comunidades onde eles ensinam é exacerbado pelo fato de que as pensões banhadas em ouro e garantidas pelo estado (sistema) significam que os professores das escolas públicas geralmente se aposentam quase como milionários. Se os professores fossem pagos a taxas de mercado, haveria mais dinheiro disponível para financiar as necessidades dos alunos, como classes menores, bibliotecas e computadores.
Professores medíocres que não podem ser demitidos

Os professores começam suas carreiras classificados entre os mais socialmente comprometidos do que qualquer profissional. Mas, como acontece com qualquer ser humano, uma mudança toma conta dos professores, uma vez que eles adquirem estabilidade e não podem mais ser demitidos.

As horas de escritório e as atividades voluntárias diminuem, os e-mails dos alunos e dos pais são respondidos mais lentamente, se e quando são. O resultado é que muitos dos melhores professores sofrem um declínio para a mediocridade na medida que o tempo passa, ensinando sempre as mesmas coisas, enquanto avançam em suas carreiras. O resultado é péssimo.


A resposta para os investidores alternativos, que se perguntam como o público americano pode cair tão facilmente na sedução das falsas promessas dos políticos, do sistema corrompido desde suas bases, para os economistas e banqueiros centrais que estão levando a produtividade dos EUA ao nível do chão, a resposta é clara: 


As escolas públicas da América podem deixar seus graduados incapazes de avaliar todas as apostas possíveis (n.T.: pois produz zumbis servis ao sistema, como nos demais países em todo o planeta)

“Até quando vocês, inexperientes, irão contentar-se com a sua inexperiência? Vocês, zombadores, até quando terão prazer na zombaria? E vocês, tolos, até quando desprezarão o conhecimento?” – Provérbios 1:22

Mais informações:

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.