terça-feira, 24 de março de 2015

LITERATURA ALEMÃ CONTEMPORÂNEA - Ulrike Almut Sanding, poetisa -

Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara
Em Berlim
















ESTA LENDA SEGUE SEU PRÓPRIO DESTINO  (melhore a tradução)

pode ser que permaneçamos onde estamos, de frente
para a mesa, nas mãos a casca do pão de um dia anterior
não podemos preservar nada: migalhas pisadas fixam-se
nos ladrilhos, esta lenda segue seu próprio destino, falam-nos
assuntos sem questionamentos, vindo de baixo algo esfria e não há
caminho de volta a marcar, não viemos de lugar algum, nunca
estivemos noutro lugar, pode ser que não se vá mais
embora daqui, os olhos em curso dirigidos uns
sobre os outros, que ninguém dê o primeiro
salto para a janela, para a corrente de ar,
        para o verde vale.


ULRIKE ALMUT SANDING BIOGRAFIA
Ulrike Almut Sanding
         Poeta e escritora alemã contemporânea, nascida em 1979. Formou-se em jornalismo e fez mestrado em estudos religiosos na França e na Índia. Também formou-se em literatura pelo Instituto Alemão de Literatura em Leipzig (Deutsches Literaturinstitut Leipzig).
Na tradução portuguesa, adicionei o título precedendo o poema. No original, a autora coloca o título em negrito, no meio do poema. O título é apenas uma parte de um dos versos, conforme está na transcrição abaixo. Além disso, todo o poema está grafado apenas em minúsculas. Sabe-se que, na variante oficial do idioma alemão (Hochdeutsch), todos os substantivos são grafados em maiúsculas, não apenas os nomes próprios. Segue o poema original:

kann sein, dass wir bleiben, wo wir sind gegenüber
am tisch, in den händem die rinde vom brot eines vortags,
wir können nichts für uns behalten: die krumen treten sich fest
auf den fliesen, diese sage geht ihren eigenen pfad, es fehlt uns
an stoffen, keine frage, von unten her kühlt etwas aus und es gibt
keinen rückweg zu legen, wir kommen von nirgendwo her,
wir sind nie woanders gewesen. kann sein, dass wir hier.
nicht mehr weggehen werden, die augen im lauf
aufeinander gerichtet, das keiner als erster
den satz tut zum fenster, zur zugluft,
         zum südlichen wald.