quinta-feira, 12 de março de 2015

MENSAGENS SUBLIMINARES – MANIPULAÇÃO SILENCIOSA E OCULTA

 Prof. Dr; Oscar Luiz Brisolara
Na realidade, o que são mensagens subliminares? Mensagens subliminares são aquelas que o cérebro não decodifica conscientemente. Para melhor explicar o que é uma mensagem subliminar, deve-se começar a analisar a etimologia da palavra "subliminar". 
Esta palavra vem do termo latino sub-limen, que pode ser traduzido como "abaixo do limiar". A mensagem subliminar é, de fato, uma mensagem que funciona abaixo da percepção consciente. É um estímulo ou uma percepção muito débil, muito confusa ou que é veiculada em movimentos muito rápidos, o que impede que seja percebida pela consciência.
A propaganda subliminar é, portanto, uma forma de publicidade que, de modo desonesto, leva mensagens que atingem o cérebro, mas que conscientemente não se veem e não se ouvem.  É um processo de informação que funciona, apenas abaixo de nossa percepção consciente.
A teoria do processo subliminar funda-se na concepção de que o cérebro humano é dividido em dois hemisférios: o esquerdo, consciente e objetivo; e o direito, face responsável pelo inconsciente e, portanto, subjetivo.
O hemisfério esquerdo lida com as funções conscientes, como se disse, tais como receber o comando de elevar a mão, ou voltar-se para identificar a direção de onde provém algum ruído. É responsável pela codificação das percepções recebidas pelos sentidos. Porém, somente dez por cento das informações que recebemos se processam nesse nível.
O hemisfério direito é responsável pelo processamento das funções inconscientes, mesmo as mecânicas como a respiração, a digestão, a circulação sanguínea, porém, muito mais do que isso, é também responsável pelas emoções e impressões, mesmo as não perfeitamente identificáveis conscientemente, classificadas como subliminares. É claro que isso ocorre com as pessoas destras. Com as canhotas, ocorre a inversão dos hemisférios: o direito é responsável pelas funções conscientes e o esquerdo pelas inconscientes e subjetivas.
O hemisfério consciente e objetivo dota-nos da capacidade de fazer julgamentos conscientes. Por seu lado, o hemisfério responsável pelo inconsciente, após a observação e análise de um evento, ainda ligado aos instintos primitivos e infantis, é atraído e impressionado com os aspectos surpreendentes, seja pelo lado negativo ou pelos fatores positivos, privando o sujeito da capacidade de decidir ou elaborar uma opinião consciente sobre o incidente.
As mensagens subliminares visam, precisamente, a atingir o lado direito da mente, tentando insinuar-se aí de forma inconsciente, a fim de influir nos atos dos destinatários. Podem, por exemplo, manipular a mente dos consumidores, induzindo-os a adquirir determinados produtos. Mas podem ter alcance pior, como incutir determinadas ideologias ou mesmo criar ambiente psicológico positivo em toda uma coletividade, erotizando-a, por exemplo, em relação a algum tipo humano, ou a uma personagem em particular. E, pior ainda, podem induzir uma comunidade inteira para se posicionar a favor ou contra determinados modelos sociológicos ou políticos.
Um exemplo prático de mensagens subliminares ocorre no filme “O Exorcista” (1973). Foram inseridas nele, de forma subliminar (isto é, a mais de 24 poses por segundo), imagens de sangue, demônios e máscaras mortuárias para aumentar a sensação geral de horror criado pelo filme.
Ocorre que a reprodução de uma fita, a partir de 24 imagens por segundo, provoca, na tela, a sensação de movimento. Porém, muito acima dessa velocidade, segundo creem os defensores da possibilidade de mensagens subliminares, a mente consciente não percebe imagem alguma, mas o inconsciente cerebral, sim.
Mariana Weber, no texto disponível em http://super.abril.com.br/ciencia/olhos-nao-veem-446675.shtml, afirma:
“Segundo o neurofisiologista Luiz Eugenio Moraes Mello, da Universidade Federal de São Paulo, também é subliminar grande parte das imagens captadas pela visão periférica, ou seja, fora da fóvea, região da retina usada para focalizar objetos. ‘O processamento desses estímulos ocupa preferencialmente o lado direito do cérebro, mais ligado às emoções, e o armazenamento ocorre de forma paralela ao dos estímulos supraliminares’, diz ele. ‘A diferença é que não se tem consciência disso.’ Como focamos a atenção em um conjunto de estímulos, haverá outros que serão percebidos de forma subliminar.”
E prossegue:
“‘Em uma cultura com dados abundantes oferecidos em uma velocidade crescente, as mensagens passam para o inconsciente de forma inadvertida’, afirma Flávio Calazans, autor do livro Propaganda Subliminar Multimídia e maior propagador no meio acadêmico brasileiro do suposto perigo das técnicas subliminares.
“Pior: como há pouco limite para aquilo que é ou não percebido conscientemente, a propaganda subliminar pode ser entendida como qualquer peça publicitária que leve você a fazer associações sem se dar conta. Colocar uma modelo sexy ao lado de um carro é um jeito de fazer isso. ‘De fato, se a mensagem por associação for explícita demais, o sujeito pode rejeitá-la criticamente’, afirma Diane Zizak. Para atingir um homem de 45 anos, cujo pai possivelmente é idoso ou morreu, um filme que mostra uma figura paterna dando ensinamentos tem grande chance de gerar empatia. ‘O espectador transfere esse sentimento à marca sem ter isso processado claramente’, afirma Paulo Tarsitano, professor de publicidade da Universidade Metodista. Ou seja: é muito difícil que mensagens ocultas estejam sendo veiculadas do modo como fizemos nestas páginas. Mas talvez toda propaganda, sem exceção, seja subliminar.”
O manuseio do inconsciente, através da tecnologia, invade nossa vida diária, desde a publicidade de toda hora, passando pelos outdors das nossas estradas, até os reality shows tão comuns em todas as TVs do mundo. Será possível manter alguma espécie de controle sobre esse monstro sorrateiro e sutil.