sábado, 20 de junho de 2015

MITOLOGIA GREGA E ROMANA – 
AFRODITE - Na mitologia grega, há uma plêiade de divindades que abarcam todas as funções humanas. Quando os romanos entraram em contado com a cultura grega, a partir da tomada de Tarento, colônia grega ao sul da Itália, no século III a. C., receberam forte influência desses helenos.
A Grécia era conhecida como Hélade (Ἑλλάς), e congregava uma série de cidades-estados que se distribuíam desde o atual território grego, passando pelas ilhas do Mediterrâneo que circundam a Grécia, e atingindo, no auge de suas conquistas, vastas regiões do Oriente próximo e norte da África.
Pois os helenos (Έλένοι), como eram conhecidos os gregos, construíram um rico conjunto de mitos, como nos apresenta brevemente o poeta Hesíodo em sua Teogonia ou Genealogia dos Deuses, datada do século VIII a. C.
Desse conjunto de divindades fazia parte Afrodite (Ἀφροδίτη), divindade do amor, da beleza e da sexualidade. Segundo Hesíodo, seu nome provém do termo grego aphros (ἀφρός), espuma. Trata-se do mito segundo o qual Cronos, ao derrotar seu pai Uranos, ter-lhe-ia cortado o saco escrotal e jogado ao mar. Da espuma aí surgida, ergueu-se Afrodite.
Devido à beleza da nova deusa, temia-se no Olimpo, que adviesse um desentendimento entre os deuses que desejariam cortejá-la. Desposou ela então Hefesto ( Ήφαιστος), deus ferreiro, forjador das armas e da tecnologia de então, porém, portador de um defeito físico que o tornava manco.  Era filho de Zeus e Hera.
Afrodite, no entanto, pela solidão em que Hefesto a deixava, pelas constantes atividades em sua forja, foi uma esposa infiel, tendo procurado a paixão de deuses, semideuses e homens, de cujos relacionamentos nasceram filhos famosos. É o caso de Hermafrodita, que gerou com Hermes, o mensageiro dos deuses.
VÊNUS – No panteão romano, aparece a deusa Vênus, que corresponde à Afrodite grega e gera muitas confusões nas leituras literárias. Na versão romana mais divulgada, seria filha de Júpiter, o supremo deus da mitologia romana, equivalente a Zeus, e sua mãe seria a deusa Dione. Seria casada com Vulcano, equivalente a Hefesto da mitologia grega.
Os romanos consideravam-se descendentes da deusa Vênus, pois Eneias, herói troiano que deu origem a Rômulo, o fundador mítico da raça romana, era filho de Vênus com o mortal Anquises.
Segundo uma tradição muito antiga, Afrodite na cultura grega e Vênus na cultura latina seriam os modelos de beleza feminina, cujos moldes serviram depois à arte renascentista.
Nas artes, desde a antiguidade, tanto Afrodite quanto Vênus foram representadas, de modo especial nas artes plásticas como a escultura e a pintura. Também na literatura e na música há uma presença constante de ambas as deusas, muitas vezes até mesmo confundidas uma com a outra. É comum falar-se em Vênus de Milos, quando o mais adequado seria falar-se em Afrodite de Milos. Milos (Μήλος) é uma ilha do Mediterrâneo, no mar Egeu. É famosa por aí haver sido encontrada uma estátua de Afrodite, com 2m de altura, com os braços decepados, que hoje se encontra no Museu do Louvre, em Paris.
Havia, na Grécia antiga, algumas estátuas de Afrodite conhecidas como Afrodite Calipígia (Ἀφροδίτη Καλλίπυγος), ou seja, das belas nádegas. Representavam uma estátua feminina completamente vestida que levantava o manto para mostrar a parte traseira, suas nádegas desnudas.  Atribui-se essas estátuas a um costume das jovens de Siracusa que, segundo uma tradição, teriam o hábito de comparar suas nádegas para ver qual a mais perfeita.