sexta-feira, 12 de junho de 2015

POESIA ROMÂNTICA PORTUGUESA DE JOÃO DE DEUS

POESIA ROMÂNTICA PORTUGUESA DE JOÃO DE DEUS

Diferentemente do olhar realista de Machado de Assis, o poeta romântico português João de Deus de Nogueira Ramos contempla o mundo que o cerca sob o vezo da subjetividade e do sonho:


A VIDA
A vida é o dia de hoje,
A vida é ai que mal soa,
A vida é sombra que foge,
A vida é nuvem que voa;
A vida é sonho tão leve
Que se desfaz como a neve
E como o fumo se esvai:
A vida dura num momento,
Mais leve que o pensamento,
A vida leva-a o vento,
A vida é folha que cai!
A vida é flor na corrente,
A vida é sopro suave,
A vida é estrela cadente,
Voa mais leve que a ave:
Nuvem que o vento nos ares,
 Onda que o vento nos mares,
 Uma após outra lançou,
 A vida – pena caída
Da asa da ave ferida
De vale em vale impelida
A vida o vento levou!

João de Deus compôs uma singela e encantadora versão da oração do Pai Nosso, num poemeto muito sonoro, com tom de reverente prece:

Padre Nosso
   Pai nosso, de todos nós,
Que todos somos irmãos;
A Ti erguemos as mãos
E levantamos a voz:

   A Ti, que estais no Céu,
E nos lanças com clemência,
Do vasto estrelado véu
Os olhos da Providência!

   Bendito, santificado
Seja o Teu nome, Senhor!
Inviolável, sagrado
Na boca do pecador!

   E venha a nós o Teu reino!
Acabe o da vil cobiça!
Reine o amor, a justiça
Que pregava o Nazareno;

   De modo que seja feita
A Tua santa vontade,
Sempre a expressão perfeita
Da justiça e da verdade!

   Seja feita assim na terra
Como no Céu onde habita
Esse, cuja mão encerra
A criação infinita!

   O pão nosso nesta lida
De cada dia nos dá…
Hoje, e basta; a luz da vida
Quem sabe o que durará!

   E perdoa-nos, Senhor,
As nossa dívidas; sim!
Grandes são, mas é maior
Essa bondade sem fim!

   Assim como nós (se é dado
Julgar-nos também credores),
Perdoamos de bom grado
Cá aos nossos devedores.

   E não nos deixes, bom Pai,
Cair, nunca, em tentação;
Que o homem, por condição,
Sem o teu auxílio cai!

   Mas tu, que não tens segundo
E muito menos igual,
Dá-nos a mão neste mundo,
Senhor! Livra-nos do mal!