quinta-feira, 1 de outubro de 2015

ISAAC ASIMOV – O HOMEM QUE, COMO CIENTISTA, FEZ LITERATURA, SEMPRE LEVANDO EM CONSIDERAÇÃO OS LIMITES DA CIÊNCIA

Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara
Isaac Asimov é o mestre da ficção científica. Não se dedicou apenas a esse tipo de literatura, mas este é o ramo em que se destacou. Suas obras explicam a ciência historicamente.
De família de origem judaica, Isaac nasceu na Rússia entre 1919 e 1920, não há absoluta certeza da data por causa do calendário juliano adotado pela igreja ortodoxa russa de então. Quando ele tinha apenas três anos de idade, sua família imigrou para os Estados unidos. A família Asimov estabeleceu-se em Nova Iorque, onde o autor cresceu e viveu o restante de sua existência.

Foi PhD em bioquímica. Ligou-se como professor à Universidade de Boston, mas a literatura o absorveu pelo resto de seus dias. Aliás, era um perfeito claustrófilo, amava estar em seu escritório escrevendo. Tinha pavor de voar e, por isso, pouquíssimas vezes afastou-se de Nova Iorque.
Escreveu muitíssimas obras, mais de 500 livros. Porém, o que dele mais aprecio são as narrativas curtas. “Mãe Terra” é uma narrativa encantadora pela projeção futura e pela possibilidade de ser. Ele sempre tratou de mundos possíveis para a ciência.
Nesse conto, desenvolve o entrecho ficcional de futurologia em que, numa época futura não muito distante, a terra teria colonizado cinquenta planetas, e estes, depois de alguns séculos, teriam alcançado a própria  independência. Com o tempo, os habitantes teriam estabelecido cotas de imigração, e proibido a entrada de pessoas que não se adequassem aos seus padrões de sanidade e raça. Até parece a realidade da migração dos dias de hoje.
A terra, por seu lado, já superpopulosa reage com o Projeto Pacífico, criado pelo embaixador Linz Moreno e pelo fisiologista Gustav Stein. Opondo-se a isto, o jornalista Ernest Keilin, da terra, e o político Ion Moreanu, de Aurora, tentam denunciar a situação, porém, são presos. Como parte do Projeto Pacífico, teria ocorrido uma cuidadosa e criteriosa manipulação política, com o objetivo de isolar a Terra dos mundos espaciais.

Isaac Asimov
Começa, neste conto, a mencionar o surgimento do que vai chamar de Império Galático. Os terráqueos, no futuro, teriam conseguido colonizar todos os mundos espaciais possíveis.
Alguns de seus livros são memoráveis e, por isso, farei deles um pequeno comentário:




1.   “Os Próprios Deuses”: É uma narrativa da descoberta de uma revolucionária fonte de energia que promete uma nova era para a humanidade. Ela não apenas facilita vida de toda a população do universo, permitindo que os cientistas descubram formas de resolver os grandes problemas do mundo, mas também propicia a descoberta da existência de um universo paralelo ao nosso.
2.   “Fundação”: Consiste numa trilogia, considerada sua melhor obra. É considerada a melhor obra de ficção científica já produzida, superior mesmo à obra de J.R.R., intitulada “O Senhor dos Anéis” e outras similares. Isso não se deve apenas à combinação perfeita de conflitos épicos e tramas profundas, sempre recheadas de mistério e muita ação, mas também ao fabuloso trabalho de pesquisa e às referências envolvidas em sua criação. Nessa obra, Asimov propõe a teoria da psico-história, uma combinação de sociologia e matemática, através da qual os cientistas, empregando fórmulas matemáticas, conseguiriam antecipar problemas futuros e encontrar soluções para eles antes de ocorrerem.
3.   “O Robô de Júpiter”: Um grupo secreto pesquisa a teoria da anti-gravidade num dos satélites de Júpiter. Porém suas descobertas são roubadas por um grupo inimigo. Uma nave, movida a energia antigravitacional, sai pelo universo com fugitivos do conflito entre os dois grupos.
4.   “O Fim da Eternidade”: Trata da história de Andrew Harlan, que é um Eterno e pertence a uma organização que monitora e controla o Tempo. Ele nada mais é do que um controlador do destino de bilhões de pessoas no mundo inteiro. Tem como função alterar o curso da história. Aprendeu a ser frio e insensível a qualquer realidade alheia, por mais angustiante que seja.
5.   “O Cérebro Humano” – é uma abordagem dos hemisférios cerebrais humanos cuja complexidade distingue o homem de todas as demais espécies de seres vivos.
Esta pequena abordagem dá uma pálida ideia do trabalho desenvolvido por Asimov em sua vasta produção literária de mais de 500 obras em que a ficção científica tem absoluta primasia.