sexta-feira, 23 de junho de 2017

ORIGEM DOS TERMOS ORIENTE E OCIDENTE

Istambul e o Bósforo
Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara
Os termos oriente e ocidente, largamente empregados, desde há séculos, no campo da geopolítica, com a função de especificar a situação física de relacionamento geográfico entre os diferentes países de cada bloco de nações, surgiram ainda no Império Romano. Oriente é um termo de origem latina que provém do verbo latino "ŏrior" (ŏrior, oriĕris, ortus sum, orīrri), cujo sentido primeiro é levantar-se, surgir, nascer. Portanto, o termo oriente designa os países situados do lado em que o sol nasce, também conhecido como levante. Já o termo ocidente tem sua origem no verbo latino "occīdo" (occīdo, occīdis, occīdi, occasŭm, occidĕre), que significa cair, tombar, morrer, perecer. Por seu lado, o termo ocidente designa os países que se situam do lado onde o sol cai, se põe, morre.
Essa divisão do mundo foi feita pelo imperador romano Diocleciano, em 286 d. C, quando dividiu o império com Maximiano. Diocleciano ficou com o oriente, deixando o ocidente com Maximiano.
Porém, para que se estabeleça um nascente e um oriente, deve o observador estar situado em um ponto. Esse ponto divisório era o Bósforo, canal que leva as águas do Mar Negro para o Mar Mediterrâneo. As terras que ficassem do lado europeu do Bósforo pertenceriam ao ocidente. As que ficassem do lado asiático do Bósforo seriam do oriente. Essa divisão permanece até hoje como base para situar as nações no mundo.
O termo oriente médio ou oriente próximo foi criado para estabelecer uma diferença entre os países do extremo oriente, mais distantes da Europa para o lado do oriente, dos países que, embora estejam do lado oriental do Bósforo, estão muito próximos da Europa. Estariam no extremo oriente o Japão e seus vizinhos. No oriente próximo ou oriente médio, a Turquia oriental, o Líbano, a Síria, Israel, etc.
A Turquia possui uma situação especial: uma parte está no ocidente e outra no oriente. A Turquia européia, conhecida na antiguidade grega como Trácia, está do lado europeu do Bósforo. A Turquia oriental, situada do outro lado desse canal, situa-se na Ásia. Essa parte oriental era denominada pelos gregos de Anatólia.
A própria Istambul, a maior cidade da Turquia, sujeita-se a essa divisão. A enorme cidade, de mais de 14 milhões de habitantes, está dividida pelo Bósforo. Enquanto 4 milhões de seus habitantes vivem na Europa, os demais 10 milhões vivem na Ásia. Belíssimas pontes ligam uma parte de Istambul à outra. Uma delas, a ponte Gálata, possui dois andares. Na parte superior, circulam carros, trens e ônibus; o andar inferior é uma imensa galeria de lojas, cafés e restaurantes. Também nela existem pistas para pedestres.
Sob o canal, há um moderno túnel, de dois andares, para trens e metrôs.
Historicamente, essa cidade era chamada de Bisâncio, pelos gregos. O imperador romano constantino transformou-a na capital do Império Romano do Oriente e deu-lhe seu nome: Constantinopla (uma variante de Constantinópolis). Os turcos, ao fundarem o Império Otomano, deram-lhe o nome de Istambul. Muitos afirmam que esse termo provém da mudança de uma expressão do grego antigo "εις την Πόλη" (Eis ten Póle), que significa centro da cidade, que os turcos invasores não sabiam pronunciar corretamente.
A Capadócia é uma região da Anatólia central, famosa pelos festivais de balonismo. 
Oriente e ocidente, portanto, são termos ligados intimamente ao Bósforo, à Turquia e definem a situação geográfica de todos os países do mundo, uns em relação aos outros.