quinta-feira, 22 de junho de 2017

TECNOLOGIA NAZISTA AINDA DESCONHECIDA HOJE - DIE GLOCKE - O SINO



Os segredos do Die Glocke (Nazi-Bell – “O Sino” nazista) – Parte 1
Posted by Thoth3126 on 22/06/2017

Die Glocke (alemão para “O Sino”) era um suposto dispositivo tecnológico científico nazista, uma arma secreta ou “Wunderwaffe” dos nazistas. Dispositivo descrito pelo jornalista e autor polonês Igor Witkowski em Prawda o Wunderwaffe (2000), foi posteriormente divulgado pelo jornalista militar e autor Nick Cook, bem como por escritores como Joseph P. Farrell (autor do livro The S.S. Brotherhood of the Bell) e outros que o associam ao ocultismo nazista, propulsão à sistema de antigravidade e pesquisa de geração de energia livre.
Tradução, edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

O sino nazista (Nazi-Bell – Die Glocke) é uma relíquia morta de uma era passada – um ícone inacabado de uma guerra sem fim … ou não?
by Tim Ventura and Dr. Joseph Farrell, from AmericanAntigravity Website
{Excerto do livro The S.S. Brotherhood of the Bell” de Joseph Farrell:

“Em 1945, um misterioso projeto de armas secretas (Wunderwaffe) nazistas com o nome de código “Die Glocke” deixou seu bunker subterrâneo na Silésia inferior, juntamente com a documentação do projeto, e o general S.S. de 4 estrelas Hans Kammler. Levados a bordo de um enorme avião Junkers 390 de ultra-longo alcance, Die Glocke, Kammler e todos os registros do projeto desapareceram completamente, juntamente com os gigantescos Junkers 390 que os transportavam. Tem-se especulado que voou para a Argentina. Como um prelúdio para este ato de desaparecimento, soldados da S.S. assassinaram a maioria dos cientistas e técnicos envolvidos com o projeto, uma arma secreta que, de acordo com um físico alemão premiado com o Prêmio Nobel, recebeu uma classificação decisiva para a guerra – a mais alta Classificação de segurança. Oferecemos neste livro uma gama de tecnologias exóticas que os nazistas pesquisaram”…}


Mais uma vez lançado no centro das atenções com o lançamento do livro “The S.S. Brotherhood of the Bell” de Joseph Farrell, a história dessa vez assume um tom mais ameaçador à medida que surgem novos detalhes – incluindo rumores de que o seu remoto local de testes foi inesperadamente comprado e agendado para demolição completa. 
Nós nos juntamos a Farrell em uma jornada para descobrir o mistério mais atraente da segunda grande guerra, com mais de 70 anos em construção …


PERGUNTAS AAG = AmericanAntiGravity: Gostaria de começar com um pouco de informação de fundo. Você pode me falar sobre você, alguns dos livros que escreveu no passado? Gostaria de saber sobre o que o leva como autor, e o que primeiro o inspirou a assumir o assunto desafiador do Nazi-Bell (Die Glocke)?

Farrell: Bem, por treinamento e formação acadêmica, sempre lidei com textos antigos e fui treinado para perceber as coisas. Mas quando eu era mais jovem, rapidamente desenvolvi um interesse pela física. Eu li a Evolução da Física de Einstein e Infeld quando eu estava na 7 ª série, e isso começou em mim um interesse vital no assunto, que eu tento me manter atento, lendo documentos e livros tanto nas áreas de física como na “física pura” tanto quanto eu puder. 

A maioria dos meus livros lidam com a física de alguma forma, e com a interface peculiar entre história e física, procurando responder aos mistérios da história com a especulação da física. Eu escrevi cinco livros nesta área da física e história alternativa até agora, além de ter um novo lançamento nos próximos dois ou três meses, eu espero.

Operação Paperclip, o nazismo invade os EUA

AAG: Agora, culturalmente falando, os livros sobre armas secretas (Wunderwaffe) nazistas podem parecer um pouco superados e, no entanto, alguns dos maiores sucessos de Hollywood nos últimos anos foram filmes da WW-II, como “Flags of our Fathers” e “Saving Private Ryan”. O que há sobre a Segunda Guerra Mundial que continua a nos cativar e por que o Vietnã, a Guerra do Golfo, ou mesmo a Primeira Guerra Mundial provocam a mesma reação?

Farrell: Essa é uma ótima questão, e uma, eu acho, que muitas pessoas se perguntam, e minha própria intuição é que ela tem algo a ver com o aspecto moral e espiritual claro dessa guerra, a segunda; ela foi uma guerra entre o bem real e o mal real; a Alemanha do Kaiser (na primeira guerra) não conseguiu, afinal, “conquistar o mundo” e exterminar povos inteiros ou transformá-los em escravos; mas a Alemanha nazista sim, destruiu e/ou escravizou povos inteiros e destruiu a própria Europa. E penso, também, que a Segunda Guerra Mundial nos fascina tanto porque foi a primeira guerra verdadeiramente moderna.


(nota de Thoth: Houve um enorme avanço tecnológico em um curto espaço de tempo, pois os alemães nazistas estavam recebendo apoio e transferência de tecnologia de DUAS RAÇAS DE EXTRATERRESTRES, Reptilianos da estrela-sol Thuban [constelação do Dragão] e aliens de aparência humanoide, chamados de Nórdicos, provavelmente do sistema solar de Aldebaran, na constelação do Touro. Saiba mais acessando AQUI).

Do ponto de vista tecnológico, a maioria das nossas armas modernas – bombas inteligentes, mísseis, tecnologia de radar furtivo, bombas guiadas pela televisão, até computadores e armas de energia direcionadas – possuem antecedentes prototípicos que datam dessa guerra, e a maior parte dos mesmos é rastreável e nos levam até os cientistas nazistas e seus aliados (Itália e Japão) em projetos de armas (Wunderwaffe) secretas.


Mesmo do ponto de vista da doutrina militar, acho que há um fascínio, porque os alemães realmente inventaram uma nova série de manobras de guerras e novas armas combinadas com guerra móvel moderna (a mortal Blitzkrieg), o conceito básico de atrito de poder de fogo e criaram os primeiros e mortais mísseis, a bomba voadora V1 (que quase arrasou por completo Londres). Então, eu acho que há várias maneiras ou razões que consideramos essa uma guerra tão fascinante.{nota Thoth: A Vergeltungswaffe 1 Fi 103 / FZG-76 (V-1), conhecida como a Bomba voadora, Buzz bomb ou Doodlebug, foi o primeiro míssil moderno guiado usado em tempo de guerra. Vergeltungswaffe significa “arma de represália”, e FZG é a abreviação de Flak Ziel Gerät (“dispositivo de mira antiaéreo”), um nome escolhido para desinformação.}

{BLITZKRIEG: Suas características clássicas foram: Ataques com blindados (divisão Panzer) e infantaria extremamente ágeis, com forte apoio aéreo. O arquiteto desta tática militar foi o general Erich von Manstein. A “guerra-relâmpago” permitiu também à Alemanha dominar quase toda Europa. A estratégia da “guerra-relâmpago” foi aperfeiçoada pelo general alemão Heinz Guderian no final de década de 1930.

Um tanque de divisão Panzer VI, Tiger I, na batalha de Kursk

O efeito desejado pela guerra-relâmpago só pode ser obtido pela utilização coordenada da infantaria, dos blindados e da aviação, que agem conjuntamente para “perfurar” as linhas inimigas em um ponto de ruptura. Todo “atrito” com as forças inimigas era evitado. Se um foco de resistência era encontrado, era imediatamente cercado, suas comunicações interrompidas (o que dificultava a tomada de decisões e a transmissão de ordens) e o resto das tropas de ataque continuava seu avanço ao interior do campo inimigo o mais rapidamente possível. O foco de resistência era destruído mais tarde, pelas forças de infantaria que se seguiam ao ataque surpresa.

Foi graças a essa nova tática ofensiva inovadora que a Wehrmacht conseguiu vencer os exércitos aliados durante a primeira parte de Segunda Guerra Mundial, principalmente quando da invasão da Polônia (que lutou com “cavalaria” frente aos tanques Panzer), da Dinamarca (Operação Weserübung), da França (com os Países Baixos, Bélgica e Luxemburgo), Yugoslávia, Grécia e da União Soviética (Operação Barbarossa), e também graças ao seu poderio militar superior e ao despreparo das forças armadas dos países invadidos. Segundo Albert Speer, esta estratégia só foi inicialmente bem sucedida porque a IG Farben importou combustíveis sintéticos, óleo lubrificante e diesel das norte amercicanas Standard Oil (Grupo Exxon, dos Rockefeller) e da Texaco através de portos espanhois, sem o qual a Invasão da Polônia e o próprio conceito de Blitzkrieg não teria sido possível.}

AAG: Em termos de pesquisa para o livro, eu entendo que você consultou extensivamente o jornalista de defesa Igor Witkowski, que também é uma fonte primária para a informação de Nick Cook sobre este tópico no livro “The Hunt for Zero Point”. Você pode nos dizer sobre como foi trabalhar com Witkowski e o que saiu dessa colaboração?

Farrell: Sim, Igor e eu trocamos algumas cartas e e-mails enquanto eu escrevia o livro e trocava informações e idéias de brainstorming, muitas das quais não entraram no livro. Como você, eu tenho um tremendo respeito pelo trabalho de Witkowski em seu livro “The Truth About the Wunderwaffe“.

E nós dois compartilhamos a opinião de que certamente valeu os US$ 80 que pagamos para obtê-lo. Igor é muito fácil de trabalhar e considera suas fontes e evidências de forma muito racional e atenta. Uma coisa que eu acho que ele e eu estaríamos de acordo e isso é que certamente há mais trabalho que pode e deve ser feito para contar a história do Nazi (Die Glocke) Bell, assim como também os seus próprios artigos sobre esse assunto também indicam.

Livro de Igor Witkowski, Jornalista de defesa que quebrou a história do Nazi (Die Glocke) Bell em “The Truth About the Wunderwaffe”, Livro A verdade sobre as armas secretas dos nazistas.

Eu acho que ele e eu agora estamos ambos reagrupando e considerando para onde ir daqui em frente: Nós seguimos a linha histórica e os aspectos da história, ou seguimos a tecnologia e a física? Eu acho que em uma história como essa, é difícil desencavar os dois aspectos e que qualquer trabalho adicional sobre o assunto será o mesmo que Igor e eu seguimos em nossos livros.


AAG: Agora, “The S.S. Brotherhood of the Bell“ abrange mais do que apenas o sino nazista – quais são algumas das outras armas secretas que você descreve no livro, e há algumas revelações sobre novos dispositivos que podem nos surpreender?

Farrell: Bem, na verdade, não falo muito sobre outras armas secretas alemãs no “The S.S. Brotherhood of the Bell”, além de referir alguns dos foguetes intercontinentais (primeiros ICBMs) que eles já estavam desenvolvendo, além dos primeiros mísseis, as bombas V1 e V2, além de algumas discussões sobre seus “over-the-horizon phased array radars” radares de matriz em fase além do horizonte que eles também desenvolveram como sistemas de orientação para eles.

Isso em si é uma revelação, porque o padrão Allied Legend sobre radares alemães era que não era um sistema tão sofisticado quanto o radar dos Aliados e assim por diante. Em alguns aspectos, isso é verdade, mas em outros – como esses radares em fase além do horizonte – não é. Eu também menciono esses radares porque acredito que eles desempenharam um papel em suas experiências de RAM (random access memory) tardias, onde eu acredito que eles descobriram aspectos de mistura de ondas e conjugação de fase por interferometria de vários feixes em alguns de seus materiais RAM.

Claro, seus leitores reconhecerão esses mesmos elementos nas apresentações da física escalar (Tecnologia PROJETO HAARP) que o tenente-coronel Tom Bearden tem feito ao longo dos anos. Este fato, além de certas coisas sobre o próprio Die Glocke (Sino), me indica que os nazistas podem ter procurado ou pesquisado deliberadamente sobre vários aspectos da física escalar e as idéias relacionadas da mecânica de vórtice e dos campos de torção e assim por diante.




AAG: Agora, em termos de sistemas de propulsão inovadora, parece haver muita confusão sobre o assunto, temos os tópicos:
Pesquisa de Victor Schauberger
Coanda-Effect em discos em Peenemunde
O sino nazista (Die Glocke)

Você pode nos ajudar a entender melhor a delimitação entre esses projetos separados e talvez nos ajudar a entender por que os nazistas executaram e desenvolveram tantos projetos secretos sobrepostos simultaneamente?

Farrell: Esta é realmente uma excelente pergunta. A resposta curta e simples é que o Die Glocke (Sino) não é de forma alguma semelhante à pesquisa de Schauberger, a pesquisa pretendida da (sociedade) Vril Gesellschaft pré-guerra, ou mesmo a pesquisa do Efeito Coanda associada a vários nomes e ao centro de pesquisas Peenemuende de foguetes (bombas voadoras V1 e V2)



Existe alguma semelhança entre a pesquisa de Schauberger e o “Sino”, na medida em que ambos os projetos – descritos na minha apresentação da física envolvida no desenvolvimento do projeto do Sino – envolveram uma mecânica vortex bem desenvolvida e uma teoria vorticular do meio. E a esse respeito, eu suspeito que houve alguma ligação entre os projetos. Embora eu não entre no assunto neste livro, eu gostaria de especular um pouco sobre o que eu acho que pode ter sido a ligação.

Tanto o projeto de Schauberger quanto o Nazi (sino) Bell cai sob a égide e jurisdição da Waffen S.S., e há fortes indicadores de que ambos os projetos faziam parte do império dos projetos negros super secretos de Hans Kammler, o Obergruppenfuehrer (“senior group leader”- General) da S.S., sediado no projeto de engenharia da Skoda Munitions Works na região de Pilsen, na Checoslováquia. A região da Bohemia na Checoslováquia era, naturalmente, naquela época, um “Protetorado do Reich” e estava sob a jurisdição direta das S.S., o que a tornava o lugar perfeito para a sede e coordenação de tais projetos negros e supersecretos.

A maioria das pessoas não os conhecem, mas um aspecto do império dos projetos negros de Kammler foi a sua coordenação através de um “think tank” de cientistas que ele recrutou para esses projetos. Este departamento realmente publicou e distribuiu seu próprio “jornal” top secret de seus trabalhos científicos um para o outro. Em outras palavras, esperava-se que esses cientistas fizessem uma especie de brainstorming e pensassem fora da caixa e mapeassem as “tecnologias das árvores” necessárias para que as várias novas tecnologias se concretizassem.


Eu acredito que isso é precisamente o que vemos com os vários projetos de discos (UFOs) voadores nazistas. O que estamos vendo não é “ausência” de coordenação ou “duplicação ineficiente de esforços”, mas sim os passos em uma árvore de tecnologia que foi elaborada para a aquisição de máquinas de propulsão de campo gravitacional. Nós vemos os discos do Efeito Coanda, que podemos interpretar neste contexto especulativo como uma espécie de “Mark I” ou o primeiro passo.

Depois, há dispositivos de Schauberger, que são baseados em sua compreensão do que ele chamou de “implosão” (Fusão), que em exame são dispositivos que dependem da criação de vórtices, circuitos de feedback e assim por diante, que seria um “Mark II”, um passo ao longo do caminho em direção ao Nazi (Die Glocke) Bell. No topo desta árvore está o próprio Bell, um projeto supervisionado pelo Dr. Walther Gerlach de fama e ganhador do Prêmio Nobel.

A especialidade de Gerlach era, é claro, gravitação, rotação e ressonância magnética, e assim por diante. Então, aqui se vê os cérebros teóricos que podem ter sentido de tudo. Os projetos “se sobrepõem” em outras palavras, porque eles deveriam se sobrepor, com cada etapa projetada para pesquisar certos aspectos de um determinado problema.

Nesta luz – novamente especulando aqui nesta entrevista pela primeira vez nesta questão – acredito que o objetivo real da pesquisa do disco Efeito Coanda não era tanto criar uma artefato com base nela, assim como também pesquisar os problemas de elevação e arrasto aerodinâmico associados com tal artefato para uso em projetos posteriores.

Se eles pudessem ser feitos dispositivos práticos em seu próprio direito ao longo do caminho, então, tanto melhor. A pesquisa de Schauberger teria sido pesquisar aspectos da criação de vórtices como uma força motriz e propulsora para esses dispositivos. Na verdade, penso, a este respeito, que é interessante que o projeto Schauberger tenha sido iniciado em 1943, depois que a pesquisa “Mark I” estava bem encaminhada. Esta pesquisa teria sido o contexto experimental ideal para pesquisar e testar certos conceitos da mecânica de vortex.


Então, é claro, há o último passo, o próprio sino NAZISTA (Nazi -Die Glocke – Bell).

Devo também salientar que falo mais sobre o sistema de trabalho de Kammlere seu “método de operação” no prefácio de “The SS Brotherhood of the Bell”, e num livro chamado “Reich of the Black Sun“ (Império do SOL NEGRO).

Novamente, com o risco de ser redundante, não considero estes projetos “separados”, mas como projetos inter-relacionados, já que eles assumem a assinatura do modo de operação de Kammler de mapear árvores de tecnologia e implementar os projetos práticos necessários para trazer suas idéias em execução.

Qualquer pessoa que se aproxime do assunto das armas secretas nazistas deve ter isso em mente, enquanto que os vários projetos – canhões sonicos, canhões de vento e tornado, raios de desintegração e raios da morte, laser, dispositivos de Pulso Eletromagnético (EMP), bombas endotérmicas, bomba atômica e bombas de combustível-ar – tudo isso, não é um desperdício bagunçado ou ineficiente de recursos ou duplicação de esforços, já que esses projetos foram coordenados em um nível extremamente alto pela elite da Waffen S.S., que supervisionou todas as aplicações de patentes no Reich.


AAG: o Dr. Eric Davis especulou que o Nazi (sino nazista) Bell era uma centrífuga para refinar materiais nucleares extraídos nas montanhas próximas e nenhum tipo de sistema de propulsão ou projeto de física avançada. A sua especulação responde todas as questões não resolvidas associadas ao projeto do Nazi Bell?

Farrell: Essa é uma observação interessante, porque é uma observação que eu me fiz no meu livro “Reich of the Black Sun“ (Império do SOL NEGRO).

A tecnologia de centrífuga de enriquecimento de urânio nazista é um dos aspectos pouco conhecidos de sua pesquisa de armas secretas, mas, de fato, os nazistas trouxeram essa tecnologia para tal estado de perfeição que se pode dizer com segurança que esse método de enriquecimento de urânio é exclusivamente “Alemão” e nazista.

Espaçonave extraterrestre fotografada em Cerro Gordo, em que é possível ver a atuação de um sistema de propulsão com Plasma de Mercúrio líquido, que produz torção de campo gravitacional (antigravidade)

Creio que os nazistas usaram esta tecnologia – e as modificações de Von Ardenne de ciclotrons com tanques de separação de espectrômetro de massa (bem como os beta calutrons de Lawrence Livermore nos Estados Unidos) – em uma grande usina de enriquecimento de urânio em Auschwitz. Entrei nessa história no Reich of the Black Sun, mas é uma história essencial para o Nazi (Sino) Bell, já que o sucesso alemão com as centrífugas lhes daria a experiência necessária para lidar com máquinas de rotação (centrífugas) de altas rpm e as tolerâncias de precisão precisas que eram necessárias em tais dispositivos.


Isso, é claro, também era um componente essencial no projeto do Nazi Bell, que consistia em cilindros de rotação inversa de alta rotação em um dispositivo modificado de “foco em plasma”. Então, sim, acredito que existe uma conexão entre o Nazi Bell e sua tecnologia de centrífuga e seu programa de desenvolvimento de bombas atômicas.

Dito isto, há também outras duas conexões com o projeto de bomba atômica nazista. O primeiro é o chefe do projeto científico do Nazi Bell, o próprio Dr. Walther Gerlach, que, em 1944, também é responsável pela pesquisa nuclear do Reich. Mas o Nazi Bell é o “bebê especial” de Gerlach, por assim dizer.

Eu apresento uma certa quantidade de evidências no livro de trancrições do Farm Hall mais a pesquisa de Igor Witkowski que indicam claramente que Gerlach estava investigando algumas áreas muito “esotéricas” da física, áreas que só poderiam ter sido associadas ao propósito do Nazi Bell. E é significativo que apenas Gerlach foi posteriormente interrogado e interrogado pelos EUA depois que os britânicos estiveram com ele no Farm Hall.

O resto dos cientistas, incluindo Hahn, Diebner, Korsching, Hartek e Heisenberg foram autorizados a retornar à Alemanha. Apenas Gerlach foi considerado valioso o suficiente para ser questionado ainda mais. Em si, isso é significativo, porque a área de especialização de Gerlach, mais uma vez, não estava relacionada com a física nuclear ou quântica, mas com as áreas associadas à ressonância magnética, rotação de partículas, gravitação e assim por diante. A outra conexão é com o próprio “combustível” do Nazi (Die Glocke) Bell, o misterioso composto líquido chamado “IRR Xerum 525”. Eu dedico todo um capítulo apenas a este aspecto do problema no livro.

No entanto, acredito que este elemento Serum 525 tenha sido um isótopo de mercúrio, que também continha outros elementos, provavelmente, isótopos radioativos, em solução ou composição química com este isótopo de mercúrio, e até mesmo especular que essas substâncias poderiam ter sido isômeros, porém, deve notar-se que se os isômeros estivessem presentes no composto, teria sido em quantidades extremamente pequenas, tendo em vista a dificuldade tecnológica de isolá-los naquele momento.

Mas, mesmo que essa noção extremamente especulativa não seja realmente o caso, há uma certa evidência coincidente de que pelo menos um elemento possivelmente também presente neste composto pode ter sido o Tório, pois é um fato pouco conhecido que os nazistas literalmente varreram a Europa e confiscaram quase todo o Tório existente.

Este fato levou a um inquérito aliado da pós-guerra sobre isso, que chegou ao seu fim de repente: nenhuma resposta real foi encontrada sobre o que aconteceu com a quantidade deste Tório usada pelos nazistas nem sobre o que os nazistas realmente estavam fazendo com esse elemento. Então, é minha suspeita que tenha sido um elemento necessário neste composto chamado “IRR Xerum 525” usado no Die Glocke.

Aqui é onde eu acredito que a análise de Witkowski quebra um pouco, embora seja verdade até onde for. O componente do composto de mercúrio seria, obviamente, ideal para a pesquisa de se conseguir plasma, que evidentemente foi para isso que o Nazi (Die Glocke) Bell foi projetado para fazer. Mas como se explica a possível presença de outros isótopos?


Minha especulação é – e novamente é muito especulativa – que os nazistas também tenham tentado acessar certos outros efeitos com esses materiais através do estresse que o dispositivo Nazi (Die Glocke) Bell criou neles. Esses efeitos podem ser análogos a algo como o efeito Mossbauer, que é usado em parte na coerência das emissões de raios gama e assim por diante e, portanto, os efeitos estranhos que o dispositivo Bell teve em “derreter” vários materiais orgânicos e seus efeitos iniciais e bastante fatais para os seres humanos e animais que foram expostos pode ser explicado por algum desses mecanismos.

E eu acredito, e mostro uma certa quantidade de raciocínio especulativo no livro, que esses efeitos podem estar relacionados aos efeitos de campo de torção ou a ondas elétricas longitudinais no próprio meio que eu acredito que os nazistas a que muitos cientistas nazistas foram realmente expostos e morreram por isto.

Colocando-se desse jeito, o Nazi Bell foi logo reconhecido pelos nazistas como tendo não só um potencial de propulsão “de campo antigravitacional”, mas também um potencial de arma que teria feito a bomba de hidrogênio parecer uma combinação corriqueira de cozinha. E tudo isso, aliás, foi chegando até Gerlach, pois, como também apresento no livro, Gerlach havia realmente escrito um pequeno artigo em um jornal alemão antes da guerra, muitos anos antes dos nazistas chegarem ao poder, sobre os tipos de coisas incríveis que poderiam ser feitas com mercúrio quando submetido a altos estresses elétricos e a campos magnéticos.

AAG: Uma dessas maiores questões não resolvidas é o que aconteceu com Hans Kammler após o fim da guerra. Se ele conseguiu fugir – e fugir com o Nazi Bell, então, por que não vimos algumas dicas desta tecnologia ou o próprio Kammler no último meio século?

Farrell: Bem, isso é – permitindo a inflação – a pergunta de $ sessenta e quatro trilhões de dólares! Nick Cook, Witkowski e todos nós apresentamos evidências em nossos livros que parecem indicar que o General Kammler desapareceu, juntamente com o NaziBell e a maioria da documentação do projeto, nas entranhas de algum projeto norte americano pós-guerra muito secreto.

Mas há também um certo conjunto de evidências descobertas pelo pesquisador britânico Geoffrey Brooks que indica que Kammler e o projeto Nazi Bell terminaram na Argentina no laboratório de física de plasma que o general Peron construiu para físicos nazistas fugitivos na província de Bariloche, no extremo sul da Argentina. Enquanto inicialmente eu segui a idéia de Witkowski e Cook de que Kammler desapareceu nos EUA, ultimamente eu me inclino mais para a idéia de que o Nazi Bell permaneceu em mãos nazistas independentes (no sul da Argentina. no Chile ou na Antártida).

Agora, quanto à questão de por que não vimos ou ouvimos mais sobre essa tecnologia desde o fim da guerra, na verdade, eu acho que ouvimos sobre isso, e eu apresento essa evidência em um capítulo do Reich of the Black Sun e também o repeti, de forma ligeiramente condensada, em The SS Brotherhood of the Bell .

O dispositivo nazista Die (Nazi Bell) Glocke

Em qualquer número de pontos de dados, o Bell e incidente de “Kecksburg UFO incident” são semelhantes, desde a sua forma, até as dimensões registradas por testemunhas oculares para ambos os objetos, para o som peculiar. Mas para mim, o argumento é o seguinte: o “incidente UFO de Kecksburg” foi supostamente visto por uma testemunha ocular na base aérea de Wright-Patterson nos EUA.

De acordo com pesquisas feitas pelo pesquisador de Kecksburg, Stan Gordon, essa testemunha ocultou uma empresa de construção local em Dayton, onde um dia, pouco depois do incidente, foi colocado um pedido para milhares de tijolos cerâmicos.

SS Gen Hans Kammler: Líder militar encarregado do esforço secreto de desenvolvimento do Nazi-Bell na Polônia.

Agora isso é interessante, porque a pesquisa de Witkowski deixou claro que o Nazi Bell foi instalado e testado em uma câmara subterrânea que foi construída a partir de… tijolos cerâmicos! Por outras palavras, não temos apenas as mesmas dimensões e formas gravadas para os dois objetos, mas o mesmo ambiente físico e material necessário é relatado para ambos. Eu acho que isso é altamente significativo e sugestivo, já que as histórias de Kecksburg datam das descrições das descobertas no Nazi Bell por Witkowski. Em outras palavras, as possibilidades de colusão entre as duas histórias são quase nulas.

Também é intrigante para mim que, por qualquer conta, as forças armadas americanas apareceram em Kecksburg tão rapidamente após o objeto que havia pousado. O exército, em outras palavras, estava pronto para ir, e, ao que parece, estava apenas esperando descobrir exatamente onde o objeto desceu para recuperá-lo. Na minha opinião, os paralelos entre os dois objetos são significativos e uma possível conexão – ou mesmo identidade – entre os dois não deve ser descartada com facilidade.

Se assim for, então ele coloca um novo giro – para não cunhar um trocadilho – sobre a questão do que aconteceu com Kammler e o Nazi Bell, pois se o Bell não estivesse nas mãos americanas no final da guerra, então, no momento de Kecksburg, ele ou um dispositivo similar foi recuperado por eles!

É um fato histórico que a Alemanha nazista dedicou recursos significativos para a exploração da Antártica, e que estabeleceu uma presença ainda nos anos pré-guerra no continente gelado durante a década de 1930, antes do início da segunda grande guerra, com sua primeira missão “oficial” acontecendo no verão antártico de 1938/1939, meses antes do início da guerra.


De acordo com uma declaração do Grande Almirante Karl Dönitz, feita ainda em 1943, “A frota de submarinos (os excepcionais U-Boats) alemães tem orgulho de ter construído para o Führer, em outra parte do mundo, uma terra Shangri-La, uma fortaleza inexpugnável”. 

Se a fortaleza estava na Antártida, foi descoberta e construída pelos nazistas? Depois da derrota da Alemanha nazista, de acordo com várias fontes, cientistas e líderes nazistas de elite escaparam para esta impenetrável fortaleza usando os formidáveis submarinos U-boats, dois dos quais experimentaram dificuldades e se renderam na Argentina.

CONTINUA em 2ª parte …

Mais informações:

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.brTECNOLOGIA NAZISTA AINDA DESCONHECIDA HOJE