sexta-feira, 24 de julho de 2015

DAS TEORIAS DA CONSPIRAÇÃO – OS ILLUMINATI



Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara
Os Illuminati talvez se constituam no grupo supostamente conspiratório mais comentado através da história. O termo illuminati provém do latim illuminatus, que significa iluminado. Para os amantes da língua clássica do Roma, é um nominativo plural da segunda declinação, cujo sentido é os iluminados.
O termo Illuminati, porém, não designa unicamente um grupo. Há um grupo histórico que se autodenominou de Illuminati. No entanto, o nome engloba, além dessa instituição, outros grupos reais ou fictícios.
De modo geral, os conhecedores do tema, quando empregam esse termo, referem-se aos Illuminati da Baviera, que foi uma sociedade secreta, cuja fundação se deu em primeiro de maio de 1776.
Justamente sua fundação vai-se dar no século XVIII, conhecido como “Século das Luzes” ou “Século da Ilustração”. Seus mentores exaltavam o poder da razão e tinham como mestres racionalistas o Filósofo holandês do século XVII Baruch Espinoza, o grande político e humanista inglês John Locke, o grande matemático Isaac Newton, superpondo, portanto, o racionalismo à emotividade. O movimento teve sua propagação máxima na França, de modo especial com os enciclopedistas Denis Diderot, Jean le Rond d’Alembert e colaboradores como Voltaire e Montesquieu, apenas para mencionar alguns.
Veja-se o conceito de iluminismo proposto por Immanuel Kant: "O iluminismo representa a saída dos seres humanos de uma tutelagem que estes mesmos se impuseram a si. Tutelados são aqueles que se encontram incapazes de fazer uso da própria razão independentemente da direção de outrem. É-se culpado da própria tutelagem quando esta resulta não de uma deficiência do entendimento, mas da falta de resolução e coragem para se fazer uso do entendimento independentemente da direção de outrem. Sapere aude! Tem coragem para fazer uso da tua própria razão! - esse é o lema do iluminismo".
Assim, os iluministas acreditavam que nada houvesse de inexplicável. Pode ocorrer que em determinado momento não se tenha uma explicação plausível para determinado fenômeno, mas o tempo e as pesquisas encontrarão sempre uma explicação racional para tudo.
No entanto, os Illuminati da Baviera não foram o único grupo a receber essa denominação. Já no século XIV existiu um grupo conhecido também como os Irmãos de Livre Espírito, um grupo de católicos não ligados ao clero, que se opôs a algumas posições de Roma e foi condenado por heresia. Era um iluminismo intelectual baseado na crença de que haveria uma luz interior responsável pelo esclarecimento espiritual e psíquico de cada indivíduo.
Os Illuminati da Baviera originaram-se de um grupo de jovens bávaros que se reuniram numa floresta, na Noite de Santa Valburga, uma festa originada dos mitos celtas, com fogueiras que até hoje se realiza nos países do norte da Europa na noite de 30 de abril para 1º de maio. Liderados por Adam Weishaupt, esses jovens fundaram a “Ordem dos Perfeitos”, que ficou conhecida também como “Ordem dos Illuminati”.
Adam Weishaupt adotou para si o codinome de “Irmão Spartacus”, “alegando ser um libertador da consciência humana, arrebatando o homem de dogmas e religiões que os escravizavam. Embora a Ordem não fosse igualitária ou democrática, sua missão era a abolição de todos os governos monárquicos e religiões de Estado na Europa e suas colônias.”
Constituíram uma organização bem urdida de espiões e contraespiões. Havia células dessa sociedade secreta distribuídas por muitos países e uma hierarquia que compilava todas as informações recolhidas. Apoiado pelo barão Adolf von Knigge, conhecido simplesmente como Philos, que tinha influentes relacionamentos por toda a Europa, fundou lojas distribuídas por diversos países como Alemanha, França, Itália, Áustria, Suíça e Rússia.
Weishaupt, em 1777, foi iniciado na maçonaria. Escreveu diversos textos para o aperfeiçoamento humano e trabalhou para aliar os Illuminati à maçonaria. Porém, em 1784, as instituições políticas e religiosas da Baviera passaram a perseguir os Illuminati.
No entanto, recebeu também apoio de muitos poderosos da época, de modo especial de Ernesto II, duque de Saxe-Gota-Altemburgo, tendo-se transferido para Gota.
Oficialmente, como a morte de Weishaupt, os Illuminati desapareceram. Porém, seus ideais permaneceram e, segundo a crença de muitos, a própria entidade se manteve e se mantém como entidade absolutamente secreta, sendo mesmo desconhecidos seus membros. Um dos seus ideais era o fim das religiões locais e dos reinos regionais e a criação de uma religião e um governo universal. Não se conhecem as fronteiras que separam os mitos da realidade no que tange ao que se costuma englobar sob o rótulo genérico de Illuminati.
Especialmente, atribui-se, então, aos Illuminati a criação dessa Nova Ordem Mundial, um sistema de governo único, com todo o poder, a política e a economia centralizados. Um dos objetivos do grupo seria reduzir os sete bilhões de habitantes mundiais de hoje a apenas 500 milhões. Cada crítico atribui a essa poderosa organização mundial as mais terríveis intenções. Essa poderosa conspiração existe de fato ou é apenas fruto de uma paranoia universal?