sexta-feira, 3 de julho de 2015

MINHA FLORESTA PRIVADA




Todas as manhãs recebo visitas inesperadas. Ao compartilhar meu café com a Cris, espiam-me, pela janela dos fundos, os mais variados visitantes voadores.
Hoje, foram as gralhas de rabo de palha, que me conduziram para os tempos da infância. Escandalosas, com seus assovios escalonados, talvez apelassem por alimento. São aves gregárias, vivem em bandos, e sempre uma permanece no ponto mais elevado das árvores, espreitando. A qualquer possibilidade de ameaça, dá sinal e o bando se vai. Assim, elas se revezam nessa função, para que todas possam alimentar-se.
Pois hoje, elas fizeram o desjejum comigo.