sábado, 2 de abril de 2016

ORIGEM DO RADICAL "FEIRA" NA DENOMINAÇÃO DOS DIAS DA SEMANA EM PORTUGUÊS

Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara
Os dias da semana em português têm uma origem muito antiga, mais precisamente no século VI da era cristã. (563 d. C.), com o I Concílio de Braga. Esse não foi um concílio de toda a Igreja católica, mas apenas um concílio regional para combater um cisma religioso conhecido como maniqueísmo, que tinha grande influência nos cristãos locais.
Para presidir esse concílio foi nomeado o bispo de Braga Martinho Dume, também conhecido como Martinus Bracarensis. Além do combate ao cisma, também trataram de temas práticos regionais. Havia já o calendário litúrgico geral da Igreja católica que surgira conforme segue: (do I, mudara para o II):
Latim litúrgico I
Latim litúrgico II
prima feria
feria prima
secunda feria
feria secunda
tertia feria
feria tertia
quarta feria
feria quarta
quinta feria
feria quinta
sexta feria
feria sexta
septima feria
feria septima
  















Fundamentados nesse modelo, os bispos portugueses propuseram um novo calendário. Acontece que esse modelo apresentado no I Concílio de Braga, seria apenas para a semana após Páscoa, em que, naquele tempo, era toda de dias santos, feriados, portanto. Daí o uso do radical latino feria (feria, ae), que significava repouso, descanso, feriado.
Como o rei o aplicou para todas as semanas sem distinção,  o nome ficou inadequado. Feria, que depois se transformou linguisticamente por metaplasmo em feira, passou a designar exatamente os dias que não eram de descanso.  Surgiu, então a nomenclatura seguinte para os dias da semana em português:
Nomes em português

Domingo
Dies Dominicus, ou seja, dia do Senhor
Segunda-feira
Terça-feira
Quarta-feira
Quinta-feira
Sexta-feira
Sábado
Dia do shabat judaico