quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

O PROFETA SILENCIOSO

Oscar Brisolara
Passara tempos sem conta na montanha...
Anos, quantos? ... nem ele sabia...
Aprendera a intimidade das alturas...
Melhor, acolhera o silêncio e  a solidão dos píncaros...
Alimentara-se do pó das estrelas depositado pelos milênios...
Na planície, guardara infindáveis silêncios nas profundidades do espírito...
Falava, nada... a ninguém jamais nada dizia...
Todos, no entanto, tudo ouviam de seus intermináveis silêncios...
Por todas as aldeias falava-se de sua imensa sabedoria...
Um dia, como viera, desaparecera na prega da montanha...

Do profeta silencioso, somente restou um rastro luminoso nas almas e nos corações saudosos...