terça-feira, 30 de janeiro de 2018

TÓPICOS DE MITOLOGIA GREGA - ÁRTEMIS E SEU IRMÃO GÊMEO APOLO

Ártemis, tela de Guillaume Seignac

Ártemis e seu irmão gêmeo Apollo eram filhos de Zeus e Leto, que, por sua vez,  era a filha dos Titãs Febe e seu irmão Ceos , esses, filhos de Gaia e Urano.
Eles nasceram na ilha de Delos, porque Hera, esposa de Zeus, com ciúmes do amor de seu marido pela titânide, impediu que Leto desse à luz em terra firme ou em uma ilha no mar. O único lugar seguro o suficiente para dar à luz era Delos porque Delos era uma ilha flutuante. 
Algumas versões do nascimento dos gêmeos afirmam que Ártemis teria nascido um dia antes de Apolo.  Então, no dia seguinte, Ártemis teria ajudado a mãe Leto a atravessar a ilha de Delos e a fazer o parto de Apolo. 
Em grego antigo (Άρτεμις, transliterada como Ártemis) é a deusa grega ligada à vida selvagem,  à caça; mais tarde, também se tornou associada à lua e à magia. Sua equivalente romana era Diana. Há versões em que presentada como filha de Demeter, deusa da agricultura.
Apolo, de Leocarés. 300 a. C.
Seu ir mão Apolo (em grego Ἀπόλλων; transliterado como  Apóllōn, ou Ἀπέλλων, transliterado como Apellōn) foi uma das divindades principais da mitologia clássica ocidental. Considerado o deus da divina distância, que ameaçava ou protegia desde o alto dos céus, sendo identificado como o sol e a luz da verdade. Fazia os homens conscientes de seus erros e era o agente da catarse purificadora do espírito humano; presidia as leis da religião e as constituições das cidades, era o símbolo da inspiração profética e artística. Era o patrono do mais famoso oráculo de todos os tempos, Oráculo de Delfos. Eram também o que comandava a ação das musas, as divindades inspiradoras dos artistas e dos sábios. Era temido por todas as demais divindades. Somente seu pai Zeus e sua mãe Leto tinham poder sobre ele. Era a divindade da morte súbita, das pragas e doenças, mas também o deus da cura e da proteção contra as forças malignas. 
Além disso era o deus da beleza, da perfeição, da harmonia, do equilíbrio e da Razão. Em seu templo os jovens eram iniciados no mundo dos adultos, num ritual tradicionalíssimo.
Em  Elêusis, em grego Ἐλευσίς, era uma pequena e agradável cidadezinha, em que havia o suntuoso templo da deusa Deméter, Δημήτηρ, em grego. Ali se realizavam os Mistérios de Elêusis. Esses rituais seguiam os modelos de iniciação dos jovens ao culto das divindades do Antigo Egito e serviram de parâmetro para muitas sociedades secretas posteriores, mesmo as contemporâneas.
A pequena Elêusis situava-se a mais ou menos 30 km ao norte da cidade de Atenas, que, na época de Platão e Aristóteles, congregava uma população de mais de 400.000 habitantes. Essa era também uma região de campos de trigo e cevada. 
Acreditava-se que em Elêusis estivesse a estalagem de Procusto, grotesco hospedeiro mítico que esticava ou mutilava seus hóspedes para que se ajustassem perfeitamente ao leito que lhes era destinado. Hoje é apenas um bairro de Atenas.
A Apolo também ligava-se a natureza, as ervas e seus poderes criativos, os rebanhos. Protegia os pastores, os marinheiros e os arqueiros.
Embora tenha tido inúmeros amores, foi infeliz nesse terreno, mas teve vários filhos. Foi representado numerosas vezes desde a antiguidade até o presente, geralmente como um homem jovem, nu e imberbe, no auge de seu vigor, às vezes com um manto, um arco e uma aljava de flechas, ou uma lira, e com algum de seus animais simbólicos, como a serpente, o corvo ou o grifo.
Como sua irmã Ártemis, ele tem o poder de enviar pragas ou morte súbita aos mortais, e também curar aqueles que lhe agradam.
Segundo a tradição, as flechas de amor de Eros não tiveram efeito sobre Ártemis, assim permaneceu eternamente virgem.