quarta-feira, 21 de fevereiro de 2018

A BAILARINA E AS ENERGIAS UNIVERSAIS


Oscar Luiz Brisolara
Uma noite dessas, assistindo aos Jogos Olímpicos de Inverno, encantava-me diante das magníficas apresentações das bailarinas... 
O magnetismo e a harmonia prendiam-me a vista... Passei a constatar que algumas, no entanto, embora seus movimentos fossem tecnicamente irrepreensíveis, não tinham o carisma de arrebatar os espectadores...
Para que a harmonia da artista com o público seja plena, há de haver uma primeira harmonia interior do mundo da atriz... Essa consonância deve conjugar-se com todas as demais ondas vibratórias que envolvem o universo...
Veja-se o particularismo da sensualidade envolvente das jovens... se essa não se expandir e chegar ao próprio princípio erótico que move a continuidade de todos os entes na ontologia cósmica... será apenas apelo à sexualidade imediata e transitória...
O fascínio é uma harmonização entre espectador, ator e o complexo dinamismo sob cujas forças estão submetidos os gonzos de todos os universos possíveis... Qualquer parcialidade momentânea e pontual é reducionismo e pequenez de espírito... Obviamente, o ser humano é sempre limitado e imperfeito... daí o esforço e a concentração exigidos dos intérpretes... e as fronteiras a serem sempre ultrapassadas...