domingo, 25 de fevereiro de 2018

A EXTREMA LEVEZA DAS LIBÉLULAS

Oscar Luiz Brisolara
As libélulas pertencem à categoria dos seres extraordinariamente frágeis...
Observava calmamente a margem plácida do lago que se me punha diante do olhar... um frágil râmulo sustinha uma libélula mais frágil ainda... tão débil... transparente... calma... segura no tom azulado de seus frágeis pares de asas...
Sua imagem apela para a paz... a segurança... a brandura do espírito... Afinal, em que se funda toda a consistência?... sequer as galáxias são consistentes... basta lembrarmos os buracos negros que as devoram... 
A paz... a calma... as consistências e todas as estabilidades possíveis somente o são diante daquilo que as sustenta...
Por essa razão, nada está, de forma alguma, absolutamente seguro de sua estabilidade... Existimos sustidos por imensas energias, tamanhas que amarram as estrelas em seus gonzos... toda sustentabilidade procede de fora de nós... Isso leva-me a curvar-me profundamente diante da fé da libélula...