quinta-feira, 24 de agosto de 2017

INFLUXOS DAS ENERGIAS DA NATUREZA



Os antigos faziam montes de trigo, ainda na palha, ao relento, quando tempo permitia. Quando não, amontoavam-no, seco nos velhos galpões. Afirmavam que era para curar. E assim, depois de meses recebendo as energias do universo, dos sóis, dos movimentos lunares e dos ventos, concentrava-se para receber estes últimos influxos para tornar-se pleno. Junto dessas energias, recebia também a carga e o vigor emanado do espírito dos seus plantadores, que o aguardavam sob a ação do dinamismo íntimo que move o seio dos espíritos da casa. Quando estava definitivamente curado, tornava-se pão e energia dividida por todos. Para tornar-se pleno, cada elemento que nos cerca necessita de uma paciente espera de maturação e estabilidade. Assim também ocorre com nossas concepções e nosso mundo interior.