segunda-feira, 22 de setembro de 2014

OS EQUINÓCIOS E A MITOLOGIA – O MITO DE ADÔNIS

Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara
Na mitologia grega, há uma célebre narrativa ligada aos equinócios, que já se constatava serem os divisores das principais estações do ano: o verão e o inverno. Trata-se do mito de Adônis.
ADÔNIS

Segundo Ovídio, o jovem era fruto de uma relação incestuosa. Cíniras, rei de Panchaia, cidade da Arábia, engravidara a própria filha Mirra.  O rei era também sacerdote de Afrodite.  Ele e sua esposa Metharme conceberam uma encantadora menina a quem deram o nome de Mirra. A mãe afirmava ser a criança mais linda que a própria deusa. Afrodite, ficou tão irada com a ofensa, que lhe rogou uma praga, segundo a qual a menina apaixonar-se-ia pelo próprio pai, o que de fato ocorreu.
Hipólita, criada de Mirra, por doze noites seguidas, introduziu a jovem no leito paterno pela madrugada, retirando-a logo a seguir até que ela, por fim, engravida. Sabrdor do embuste, o pai decidiu sacrificar a filha. Ela, porem, fugiu pela floresta e recorreu, desesperada, à ajuda de Afrodite que, compadecida, transformou-a em árvore, um pé de mirra, que produziria  uma resina altamente amarga em consequência das lágrimas da jovem. Aos dez meses de sua concepção, o tronco da árvore abriu-se  e nasceu o mais encantador dos jovens gregos, Adônis.
PRIMAVERA - SANDRO BOTTICELLI

Afrodite colocou o menino em um baú e solicitou a sua amiga Perséfone, deusa do Hades e esposa de Plutão, divindade dos mortos, para que o guardasse em um canto qualquer de seu palácio. Curiosa, a deusa abriu o baú para ver o que ele continha. Percebendo a excepcional beleza do jovem, apaixonou-se por ele.
A deusa da fecundidade e do amor, quando tomou conhecimento do ocorrido, desceu ao Tártaro para reclamar sua propriedade. Perséfone negou-se a devolvê-lo, uma vez que por ele estava apaixonada. Para resolver o impasse, os deuses estabeleceram que, por meio ano o jovem permaneceria no Hades com Perséfone e a outra metade retornaria à terra para junto de Afrodite.
VÊNUS E ADÔNIS - TIZIANO

Essa seria a origem da alternância entre invernos e verões. Quando Adônis vem à terra, os campos reverdecem e se enchem de plantas e flores. O sol aquece a todos com o brilho de seus raios e a alegria de sua luz. Porém, quando Adônis desaparece para ficar ao lado de Perséfone, nas profundezas da terra, o próprio sol perde sua força e toda a natureza sofre com o frio, a geada e os ventos cortantes. Tudo, no inverno, fica aparentemente morto, com a vida adormecida no solo (Hades), período indispensável ao repouso, assimilação e preparo para novo ano.