quarta-feira, 17 de setembro de 2014

OS KIBUTZIM - FAZENDAS COLETIVAS

Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara
Os kibutzim são colônias agrícolas coletivas muito utilizadas de há muitos anos em Israel. O termo kibutz provém da palavra do hebraico “kvutza”, cujo significado é grupo. Os primeiros kibutzim surgiram na Rússia entre 1881 e 1884, no período dos pogroms, isto é, ataques sistemáticos contra os judeus. Como estavam confinados em pequenos vilarejos pelo império russo, iniciaram a trabalhar na agricultura em coletividade.
KIBUTZ
A segunda investida dos russos contra os judeus ocorreu no início do século XX. Com o recrudescimento da política russa contra os membros das comunidades hebraicas durante a guerra russo-japonesa, iniciou-se uma migração em massa dos judeus principalmente para os Estados Unidos. Uma parte deles, porém, começou a estabelecer-se na Palestina. Aí, a partir de 1903, começaram os primeiros kibutzim. Tratava-se de uma idéia revolucionária baseada em uma sociedade de voluntariado em que as pessoas vivem sob os termos de um contrato social específico,  fundado em princípios sociais e econômicos igualitários e comunitários.
As principais características da vida no Kibutz são o coletivismo em termos de propriedade e cooperação nas áreas de educação, cultura e vida social. Portanto, os membros do Kibutz pertencem a uma unidade maior do que seus próprios círculos familiares.
O funcionamento do kibutz funda-se no princípio sociológico comunitário, estabelecendo uma regra básica: a de  que todas as receitas geradas pelo kibutz e seus membros são destinadas a um fundo comum. O fruto do trabalho coletivo é usado primeiramente em favor do kibutz, a fim de realizar os investimentos necessários a garantir a manutenção e crescimento da comunidade. Há regras que asseguram o apoio e o respeito mútuo entre os membros.
O resultado do trabalho coletivo, feitos os investimentos indispensáveis da coletividade, é rateado pelas diversas famílias, considerando o número de membros de cada uma. Não há diferenciação de pagamento nem pela qualificação do indivíduo, nem pela função que exerça no grupo. Em termos de educação, todas as crianças submetem-se ao mesmo processo educacional e recebem as mesmas oportunidades.
O kibutz é administrado segundo o sistema de democracia participativa direta em que os indivíduos têm uma influência direta sobre as decisões da comunidade. Nesta comunidade auto-suficiente, a ética do trabalho coletivo desempenha um papel fundamental.
Existem, no entanto, outros kibutzim com outro tipo de funcionamento, cujos membros recebem diferentes salários e acolhem trabalhadores temporários como estudantes nos períodos de plantio ou colheita. Esses contratam operários até m esmo de outros países, pagando uma taxa estipulada, geralmente levando em conta a produtividade. Muitos estudantes europeus participam dessas atividades como experiência profissional e até mesmo para obter algum dinheiro.
Essas fazendas coletivas, com a criação do Estado de Israel, tornaram-se a grande fonte de produtos agrícolas para a novo estado, e se multiplicaram por todas as regiões, acolhendo as famílias judaicas que migravam para a nova pátria de todas as partes do mundo.
KIBUTZ

Os kibutzim também são responsáveis por inúmeras pesquisas agrícolas e desenvolvimento de modernas tecnologias agrícolas como técnicas de irrigação e melhoramento genético. Assim, Israel tornou-se um dos maiores fornecedores de hortigranjeiros e flores para toda a Europa.