terça-feira, 30 de setembro de 2014

SOB A PROTEÇÃO DE SULLY PRUDHOMME

 Prof. Dr. Oscar Luiz Brisolara
          Pela manhã, enquanto saboreava o pão fresco matutino, invadia-me a alma o imenso prazer da primeira refeição. Lembrei, então, o sonho de Sully, em que agradecia aos artífices todos através de seu magistral poema...
PAVILLON SULLY - LOUVRE

A dádiva do trigo é insondável à mente que investiga... por meses, permanece pacientemente voltado para o alto, receptivo às energias do sol e a força dos ventos que, balançando-o lentamente, provocam catálises transformadoras, para o desenvolvimento do amor que habita a essência da farinha, nutridora dos corpos e alentadora dos espíritos.
Assim também a água que habitou as profundezas incógnitas das rochas, rolou por rios sem conta séculos afora, elevou-se às alturas insondáveis dos céus e, pelas gotículas da chuva, entranhou-se no seio fecundo do solo... Depois, engenhosamente, subiu pelo caule teso do vegetal e, vagarosamente, foi-se instalando, célula por célula, engendrando os segredos remotos da vida e dos que dela fruem...
Campo de trigo maduro



Misturou-se também aos sonhos do agricultor que, por longos dias seguidos, arando os campos... semeando o eito... e, placidamente, aguardando pelo milagre perene da transformação, sabiamente aguarda a obra do gestor do universo. E, ao constatar a messe doirada, ceifou as plantas... depositou no moinho o fruto de seus esforços e anseios... e retornou para o lar com o alento dos seus...
Juntaram também seus anelos aos dele, primeiro o moleiro triturador dos grãos; depois o veloz transportador, rolando por estradas e almas. Por fim, o artífice padeiro juntou sua própria alma sob a mão do arquiteto dos mundos a fim de engendrar este alimento divinal.

Sem jamais esquecer que todo o grão é dom, apesar do meu trabalho, sou Salomão, usufruindo as dádivas divinas, mesmo sob a máscara de um simples artesão de letras...